Pouca idade e muito conhecimento: Nicole Oliveira, de 8 anos, a “Nicolinha”, tem um currículo que deixa muito marmanjo para trás. Fundadora de um clube de astronomia, dona de um canal no YouTube sobre o assunto, palestrante e uma das pessoas mais jovens no mundo a participar do IASC, o International Astronomical Search Collaboration da Nasa.

Aos quatro anos, Nicolinha propôs aos pais trocar todas as festas de aniversário por um telescópio, que só veio três anos depois. Mas ela não perdeu tempo: aos seis anos, ingressou em um curso de astronomia pelo Centro de Estudos Astronômicos de Alagoas, junto com adultos.

publicidade

De fato, não se tem notícia em todo o globo de outro astrônomo amador com tão pouca idade. Na mídia internacional, a menina é chamada de “astrônoma mais jovem do mundo”.

Nicolinha ingressou no programa Caça-asteroides, uma parceria do IASC-Nasa com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações já na primeira edição no Brasil. Desde então, a menina já encontrou sete asteroides por meio do programa, que vai batizar quando confirmados pela Nasa.

publicidade

Se isso acontecer, Nicolinha já sabe quem, possivelmente, irá homenagear.

A astrônoma mirim tem como inspirações o astronauta e ministro do MCTI, Marcos Pontes, e as astrônomas Duília de Mello e Rosaly Lopes , que está na edição em inglês do Guinness Book of World Records 2006 como a pessoa que encontrou o maior número de vulcões ativos do universo.

publicidade

Nicolinha tem tudo para seguir os passos de sua musa inspiradora e também compor o livro dos recordes.

Em 2020, Nicolinha foi convidada a participar de um evento do Asteroid Day, onde palestrou sobre o asteroide Bennu. Recentemente, fez uma apresentação no 1º Seminário Internacional de Astronomia e Astronáutica, que aconteceu em junho deste ano. O evento reuniu mais de 40 palestrantes, entre eles, a pequena Nicole, que divide o tempo entre essas palestras que eventualmente é convidada a ministrar, os cursos que aplica no Clube Nicolinha e Kids, a produção de vídeos no canal As Observações de Nicolinha e a escola.

publicidade

Vale destacar que nossa astrônoma mirim também é medalhista olímpica: ela ganhou medalha de ouro nas edições de 2020 e 2021 da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica.

Ah, e como toda criança, Nicolinha não esquece de algo muito importante: a hora da diversão.