Muito mistério e inúmeras lendas envolvem o famoso monumento Stonehenge, que foi montado na planície de Salisbury, no sul da Inglaterra, há cerca de 5 mil anos.

Mas agora, pesquisadores da universidade de Brighton realizaram um estudo para explicar como essas pedras se mantém quase inalteradas depois de tanto tempo.

publicidade

A resposta está na composição geoquímica das rochas, conhecidas como sarsens. Elas são formadas por 99,7% de cristais de quartzo, material que apresenta uma estrutura entrelaçada que torna as pedras quase indestrutíveis.

Segundo o estudo, alguns dos sarsens de Stonehenge contêm grãos de rocha com idades que chegam a 1 bilhão e 600 milhões de anos.

A análise só foi possível por causa de uma amostra retirada de um dos monolitos há 60 anos. Hoje, Stonehenge é protegido por lei e não pode ser alterado pelo homem.

Ela foi examinada com raios-X, microscópios, e até por uma tomografia computadorizada. Um dos pesquisadores brincou dizendo que a amostra é provavelmente a peça de pedra mais analisada além da rocha lunar.

Mas os maiores mistérios permanecem, como por exemplo a finalidade de construir esse monumento com rochas que foram retiradas da natureza em um local a mais de 225 quilômetros de distância.

Ao que tudo indica, Stonehenge era usado para rituais religiosos e observações astronômicas. A entrada principal se alinha com o nascer do sol no solstício de verão, e era o principal centro cerimonial da Inglaterra.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!