A IBM fez uma parceria com a organização sem fins lucrativos ProMare, e juntos construiram uma embarcação autônoma para fazer uma homenagem ao navio Mayflower, que em 1620 transportou os chamados Peregrinos do porto de Southampton, na Inglaterra, para a América.

O Mayflower moderno só lembra o antepassado no nome. Com um design de casco triplo de 15 metros de comprimento, ele usa uma combinação de fontes de energia para navegar: pode ser movido a turbinas eólicas, a diesel e a energia solar.

publicidade

Além disso, a embarcação tem vários sensores, incluindo seis câmeras. O software “Captain” usa regras de Inteligência Artificial desenvolvidas pela IBM para tomar decisões que permitem que o navio reaja a um ambiente oceânico muitas vezes incerto sem nenhum tipo de intervenção humana.

Mas uma falha no sistema do gerador de energia impossibilitou a travessia apenas 3 dias após a partida da primeira tentativa.

Agora, eles estão quase prontos para tentar novamente, o que deve acontecer no ano que vem, mas ainda sem data definida.

Além da homenagem, durante a viagem de um mês o navio vai reunir dados importantes sobre o oceano com relação ao impacto das mudanças climáticas e da poluição. Segundo a IBM, isso tudo vai acontecer 24 horas por dia, todos os dias, com transmissão de dados em tempo real.