Atualizada às 17h, com a resposta da Amazon

Uma possível falha no sistema de cupons do site da Amazon fez com que centenas de consumidores comprassem produtos com valores bem abaixo do mercado e até mesmo com custo zero por meio da soma de vários vouchers liberados pela empresa. O problema ocorreu na manhã desta quarta-feira (26) e está entre os assuntos mais comentados no Twitter, entrando para o trending topics do Brasil. Ao total, mais de 40 mil menções foram feitas nas últimas horas. 

publicidade

Cupons disponíveis somente para novas contas

As ofertas eram disponíveis para cupons compatíveis com o Kindle e livros, mas estavam liberadas somente para novas contas na plataforma, segundo os usuários em comentários no Twitter.

Imagem: Reprodução Twitter

Leia mais:

Amazon confirma bug

Em nota, a Amazon confirmou o incidente e disse que “houve um problema no site que foi rapidamente corrigido”. A empresa lamentou o ocorrido e informou que “qualquer inconveniente causado será corrigido e que a Amazon entrará em contato com os clientes impactados”.

De acordo com os consumidores, a Amazon logo suspendeu a validade dos cupons cumulativos e não permite mais que novos clientes vinculem vouchers para obter até 100% de desconto sobre o valor dos produtos.

Especialista diz que caso deverá ser discutido na Justiça

Segundo o especialista em Direito do Consumidor, José Rangel, o caso deverá ser discutido na Justiça, caso a Amazon se recuse a entregar os produtos comprados com os cupons que possibilitaram descontos de mais de 80%.

“O site certamente precificou o valor, ou seja, devem vender pelo o que foi anunciado, não importa se houve erro ou alguma falha no sistema, pois a responsabilidade é deles. Esses consumidores devem ser atendidos. Agora, caso o prejuízo seja absurdo, a Justiça vai decidir. Já existe jurisprudência no sentido de que quando há um erro de fato, como de digitação em algum anúncio, não há o que se falar em obrigação do fornecedor em atender ao consumidor”, explicou o advogado, em entrevista exclusiva ao Olhar Digital.

“É preciso analisar qual será a argumentação da empresa. Caso a diferença no valor seja baixa, terá que vender pelo preço promocional, mas se é um erro que não paga nem o valor original do produto, a empresa poderá argumentar isso na Justiça”, concluiu José Rangel.

A mesma opinião é compartilhada pelo presidente do Procon de São José dos Campos, no interior de São Paulo, Georges Salim Assaad Junior.

“O consumidor tem o direito de pleitear o cumprimento da que foi ofertado. É um direito previsto no Código de Defesa do Consumidor. A exceção é feita para as ofertas consideradas evidentemente erradas, como por exemplo, um aparelho celular que normalmente custa R$6.000 ser ofertado por R$1. Casos assim, o erro é evidente e aparente, e a jurisprudência não reconhece o direito ao cumprimento do que foi ofertado”, afirmou o especialista ao Olhar Digital.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!