O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) negou o pedido de indenização por danos morais de uma idosa que recebeu a segunda dose da vacina contra a Covid-19 de uma marca diferente do imunizante utilizado na primeira aplicação.  

A idosa alegou falha da equipe de profissionais da Secretaria de Saúde do Distrito Federal e afirmou que na primeira dose, em março de 2021, havia recebido a vacina CoronaVac, enquanto na segunda dose, foi imunizada com AstraZeneca.  

publicidade

Leia também!

A denunciante contou que após um mês da segunda dose apresentou reações adversas, como manchas em seus braços.  

Em resposta a ação, a 2ª Vara da Fazenda Pública apontou que as alegações e elementos utilizados são insuficientes para comprovar qualquer dano sofrido e para condenar o Distrito Federal.  

“As reações adversas sentidas pela autora decorreram daquelas naturalmente previstas na bula do fabricante, inexistindo qualquer indicativo de dano à sua saúde”, diz um trecho da decisão judicial.  

O magistrado responsável pela ação ainda afirmou que houve conduta culposa do agente público de saúde que aplicou os imunizantes de marcas diferentes, mas isso não é suficiente para causar danos à paciente.  

A idosa ainda pode recorrer da decisão da Justiça

Homem sendo vacinado
Covid-19: idosa que recebeu vacinas de marcas diferentes tem indenização negada. Imagem: PanyaStudio/Shutterstock

Covid-19: Brasil tem 669 óbitos e mais de 54 mil casos nas últimas 24 horas 

O Painel do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), divulgado nesta quarta-feira (8), apontou que o Brasil teve 669 óbitos por Covid-19 nas últimas 24 horas. Também foram registrados 54.906 novos casos no mesmo período. 

Confira os números atualizados no Brasil: 

  • 669 óbitos nas últimas 24 horas; 
  • 54.906 casos confirmados nas últimas 24 horas; 
  • 653.498 mortes acumuladas; 
  • 29.193.268 casos confirmados no total. 

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!