Pro

Apesar de prejuízo de US$ 630 milhões, Siemens deixa de operar na Rússia

Por Gabriel Sérvio, editado por Acsa Gomes
12/05/22 11h08, atualizada em 13/05/22 15h15
O vídeo está sendo carregado - aguarde...

A Siemens confirmou nesta quinta-feira (12) que deixará de atuar no mercado russo por conta da guerra na Ucrânia, aumentando a lista de empresas que já deixaram o país.

Mesmo com prejuízo recente calculado em US$ 630 milhões, o grupo industrial e de tecnologia alemão acompanha a decisão de outros nomes importantes, como Adidas, a montadora francesa Renault e vários bancos que suspenderam suas operações em solo russo.

O CEO da Siemens, Roland Busch, emitiu um comunicado sobre a decisão:

“Todos somos movidos pela guerra como seres humanos. Os números financeiros devem ficar em segundo plano diante da tragédia. No entanto, como muitas outras empresas, estamos sentindo o impacto em nossos negócios.”

Sanções prejudicaram a empresa

Ações da companhia caíram 5% na manhã de hoje após o anúncio. Imagem: Sergey Chayko/Shutterstock

Além de prejuízo multimilionário, a Siemens também sofreu com outros encargos principalmente em seus negócios de fabricação de trens após as sanções impostas à Rússia por países ocidentais.

Busch acrescentou que outros impactos econômicos são esperados. “Prevemos mais riscos potenciais para o lucro líquido na faixa de milhões, embora não possamos definir um prazo exato”.

Vale ressaltar que as ações da companhia caíram 5% na manhã de hoje após o anúncio. A empresa sediada em Munique, Alemanha, emprega 3 mil pessoas na Rússia, país onde atua há 170 anos. 

O país contribui com cerca de 1% da receita anual da Siemens, com a maior parte dos negócios voltados para trabalhos de manutenção e serviço em trens de alta velocidade. 

Leia mais:

Allianz também deve deixar o mercado russo

A Allianz, que parou de fechar novos negócios na Rússia desde março, pode sair totalmente do país, declarou o CEO da seguradora alemã também nesta quinta-feira.

“Eu definiria a probabilidade como muito alta”, disse o diretor financeiro da empresa Giulio Terzariol quando questionado sobre as chances de encerrar as operações no país.

A companhia ainda confirmou que seus resultados financeiros podem sofrer perdas de 400 a 500 milhões de euros com a descontinuação de suas subsidiárias de seguros na Rússia.

Via: Reuters (1, 2)

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Deixe sua opinião
Sugeridos pra você
Tags