Pelo menos US$ 2,35 bilhões, quase R$ 11,3 bilhões na cotação atual, podem ter sido lavados através da corretora de criptomoedas Binance de 2017 a 2021, revela uma investigação realizada pela Reuters.

Por análise de documentos judiciais, contato com autoridades e com o auxílio de empresas especializadas em blockchain, como a Chainalysis e a Crystal Blockchain, a agência de notícias informou que conseguiu rastrear diversas movimentações ilícitas. 

Resposta da Binance

Ilustração da Binance, maior bolsa de criptomoedas do mundo
Imagem: salarko/Shutterstock

Vale destacar que a Binance é a maior exchange do mercado de criptoativos. Procurado pela Reuters, o diretor de comunicações da companhia chinesa, Patrick Hillman, disse que a análise não é precisa e que a empresa está sempre disposta a melhorar “ainda mais” a sua capacidade de detectar atividades ilegais.

Segundo um porta-voz da exchange contactado pelo Decrypt, os dados do artigo são desatualizados e falsos: “Deve-se notar que o artigo usa informações desatualizadas de 2019 e atestados pessoais não verificados como muleta para estabelecer uma narrativa falsa”.

publicidade

Leia mais:

Dados obtidos pela agência de notícias

O relatório conecta vários eventos para chegar ao montante final, como uma invasão da corretora Eterbase, movimentações financeiras do site russo Hydra e até atividades do grupo de hackers norte-coreano Lazarus. Cada um teria usado os serviços da Binance de alguma forma para realizar transações ilícitas.

Em setembro de 2020, por exemplo, o grupo Lazarus teria criado contas anônimas na Binance para lavar uma parcela dos US$ 5,4 milhões roubados da Eterbase, destacou a Reuters. E-mails compartilhados com a agência supostamente mostram que a Binance também se recusou a compartilhar os dados de contas suspeitas do roubo sem uma solicitação formal das autoridades. 

A Reuters também estima que o Hydra usou a Binance para processar pagamentos na ordem de US$ 780 milhões. Por fim, o artigo menciona novamente o grupo Lazarus, que estaria usando os ganhos ilegais para financiar o programa nuclear da Coreia do Norte.

Segundo a Chainalysis, que trabalhou com a Reuters nas investigações, os hackers roubaram US$ 1,75 bilhão em criptomoedas até 2020, usando a Binance para lavar mais de US$ 627 milhões. Resta saber quais serão os desdobramentos do caso nos próximos dias.

Fonte: Reuters, Decrypt

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!