O Brasil segue como um dos países que mais sofre com ataques hackers. Dados da Checkpoint Research mostram que a média de ataques cibernéticos no segundo trimestre de 2022 teve aumento de 46%, uma diferença de 14% da média global, de 32%.

Os dados ainda reforçam que a pandemia da Covid-19 teve grande influência nesses ataques realizados e empresas têm sofrido cada vez mais pelos ataques ransomware. Os dados revelam que o Brasil tem em média 1.540 incidentes de cibersegurança. O número é superior à média global de 1.200 ataques por semana. 

Leia mais:

O relatório da CheckPoint Research, mostra que, globalmente, as principais categorias de ciberataques realizados foram: Malware multiuso (23%), Criptomineradores (15%), o trojan Infostealer (13%), mobile malware (12%) e ransomware (8%).

publicidade

No mundo, uma em cada 40 organizações são vítimas de ataques cibernéticos por semana, um aumento de 59% em comparação com o mesmo período do ano passado. A América Latina foi a região com mais ataques registrados, uma em cada 23 organizações são atacadas por semana.

Malware multiuso foi o ciberataque mais aplicados mundialmente. Imagem: Reprodução/ CheckPoint Research

Anderson Quintão, gestor da área de Infraestrutura da BHS, ressalta que os ataques por ransomware, podem causar prejuízo por causa da perda de dados, danos aos negócios de empresas e prejudicar a reputação da empresa.

“Nenhuma empresa quer se expor ou mostrar ao mercado e aos seus clientes que é vulnerável e está sujeita aos ataques cibernéticos. Não há outra solução que não seja investir em segurança do ambiente de tecnologia. É igual seguro de carro, você não vai usar o tempo todo, mas estará protegido e livre de problemas”, diz.

Orientações para não ficar vulnerável aos ciberataques

Para evitar os possíveis ataques na segurança da instituição, Quintão orienta que a empresa tome algumas medidas, como: contar com uma equipe especializada em segurança; investir em recursos tecnológicos (firewalls, software antivírus, sistemas de detecção de intrusão, filtros de e-mail e outros) e manter os ambientes de tecnologia atualizados (softwares e sistemas).

No dia a dia, Quintão ressalta a importância de ficar atento a mensagens SMS e e-mails suspeitos. “Não clique em links que recebe por mensagem de textos, e-mails, ative a verificação em duas etapas, não forneça as suas senhas a terceiros e verifique as configurações de privacidades dos seus equipamentos e softwares instalados”, completou.

Imagem: Skorzewiak/ Shutterstock

Fonte: CheckPoint Research

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!