Pesquisadores descobriram uma ação que pode soar incomum quando relacionada aos tubarões… andar. Um vídeo mostra uma espécie de tubarão recém-nascido “andando”, com passos de bebê. Ao que tudo indica, trata-se de uma estratégia que ajuda esse animal a sobreviver a situações adversas no mar.

Geralmente, quando uma criatura marinha encalha em algum recife de coral, por exemplo, ela é deixada para trás. Quando essa situação acontece em marés rasas com níveis de oxigênio reduzidos e temperaturas crescentes, a maioria das espécies aquáticas não resiste, porém, o tubarão-epaulette (Hemiscyllium ocellatum), além de conseguir segurar a respiração por horas e tolerar uma série de temperaturas, ele pode andar.

Leia mais:

Segundo a professora associada da Florida Atlantic University, Marianne E. Porter, que estuda as estruturas mecânicas e o movimento dos tubarões, é possível observá-los andando nos recifes quando expostos na maré baixa. Além disso, em declaração à Live Science, ela disse que esses pequenos tubarões resistentes podem andar em terra e debaixo d’água, por mais de 27 metros, até encontrarem um local adequado onde possam esperar pela maré. Veja o vídeo do tubarão andando:

publicidade
Reprodução: Florida Atlantic University/ YouTube

É uma das estratégias de sobrevivência mais distintas da natureza. As descobertas podem ajudar os cientistas a entender como outras espécies aquáticas poderão performar de acordo com o estresse causado no mar pelas mudanças climáticas, como o aumento dos níveis de gás carbônico.

Até o presente estudo, não havia nada na literatura científica sobre tubarões-epaulette e jovens e bebês. Entretanto, a coautora do estudo Porter e a professora de biologia marinha na Universidade James Cook, na Austrália, Jodie Rummer, já suspeitavam que esses indivíduos caminhavam de forma diferente, já que eles nascem roliços, com a barriga “inchada”.

Segundo Porter, “a forma geralmente impacta a maneira como nos movemos”. Ela compara o desenvolvimento dos seres humanos e dos tubarões: “Bebês humanos caminham de forma diferente para equilibrar suas cabeças gigantes, e assumimos que os bebês tubarões balançavam seus corpos e moveriam suas barbatanas de forma diferente para acomodar suas barrigas gigantes.”

Depois de examinar vários vídeos de jovens tubarões andando e nadando, as pesquisadoras se surpreenderam ao descobrir que todos os jovens tubarões, desde bebês recém-nascidos até jovens, pareciam se mover da mesma maneira. Elas tiveram de examinar várias métricas-chave, incluindo velocidade, frequência de batidas na cauda, dobra do corpo e rotação de barbatanas, para chegar a essa conclusão.

O que as pesquisas com esses tubarões podem revelar

Ainda que esses animais aquáticos sejam capazes de “andar” na terra, o estudo recente examinou apenas a sua atuação debaixo d’água. Espera-se que estudos futuros, analisem se os tubarões bebês ajustam o ritmo quando estão em terra.

Além disso, essa pesquisa pode ser útil para os biólogos evolucionários que estudam como foi a transição dos animais da água para a terra, bem como pesquisadores de biomecânica que estudam como as barbatanas e pés interagem com superfícies e como os animais adequam a sua forma corporal à gravidade se moverem por diferentes ambientes.

Via: Live Science

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!