O primeiro mamífero conhecido era um animal minúsculo, parecido com um musaranho, que viveu ao lado dos primeiros dinossauros há 225 milhões de anos, retardando o aparecimento dos mamíferos em cerca de 20 milhões de anos, afirma novo estudo controverso, publicado no Journal of Anatomy.

Uma equipe internacional de pesquisadores estudou os restos fossilizados de um animal de 20 centímetros de comprimento chamado Brasilodon quadrangularis e decidiu que era um mamífero porque, nele, cresceram dois conjuntos de dentes ao longo de sua vida como a maioria dos mamíferos, incluindo os humanos modernos.

Leia mais:

Os autores afirmam que o Brasilodon é hoje o primeiro mamífero conhecido pela ciência, uma vez que aparece no registro fóssil cerca de 20 milhões de anos antes do Morganucodon, que anteriormente era o primeiro animal conhecido que consideram mamífero.

publicidade

No entanto, a classificação inicial dos mamíferos é complexa e um pesquisador que não esteve envolvido no estudo disse à Live Science que nem o Brasilodon, nem o Morganucodon são mamíferos e que ambos pertencem mais atrás na árvore evolutiva, apesar de sua dentição semelhante à de um mamífero.

Glândulas mamárias produtoras de leite – característica que ajuda a definir os mamíferos hoje – não foram encontradas no registro fóssil. Portanto, os pesquisadores procuram evidências de ancestralidade de mamíferos em ossos e dentes mineralizados.

Mamíferos teriam convivido com os primeiros dinossauros (Imagem: Ton Bangkeaw/Shutterstock)

Uma característica dental dos mamíferos é a presença de dois conjuntos de dentes: Dentes de leite e dentes de adulto. Em contraste, répteis e peixes muitas vezes podem regenerar seus dentes (se os tiverem) e passar por vários conjuntos, como juvenis e adultos.

Os pesquisadores analisaram três mandíbulas inferiores do Brasilodon – uma mandíbula juvenil e duas adultas – do sítio Linha São Luiz, no sul do Brasil, onde a espécie foi descoberta décadas atrás ao lado de alguns dos primeiros dinossauros.

A equipe usou técnica destrutiva de seccionar os maxilares para ver os dentes se desenvolvendo dentro deles. As universidades do sul do Brasil têm muitos fósseis de Brasilodon, então, as mandíbulas não eram preciosas demais para serem cortadas.

Ilustração de um Brasilodon (Imagem: Ilustração/Sociedade Anatômica Wiley)

“O que descobrimos é que o Brasilodon só muda seus dentes uma vez”, disse a coautora Martha Richter, associada científica do Museu de História Natural de Londres, na Inglaterra, à Live Science. A presença de dois conjuntos de dentes torna o Brasilodon um difiodonte – nome dado a um animal com dois conjuntos de dentes – e sugere que o Brasilodon está mais relacionado aos mamíferos do que aos répteis.

“Não temos nenhum exemplo de réptil que tenha apenas dois conjuntos de dentes”, disse Richter. “Os antigos répteis trocavam constantemente seus dentes em ritmos diferentes.”

Estudos mostram que os dentes difiodontes são o resultado de “cadeia genética de eventos” que regula não apenas a forma do crânio e dos dentes, mas também as funções corporais que também estão associadas aos mamíferos, como a endotermia (capacidade de regular metabolicamente o calor do corpo), lactação e crescimento do pelo, disse Richter.

“Eles estão todos ligados entre si”, acrescentou a pesquisadora. O Brasilodon parecia um mamífero, com cauda longa e outras características de musaranho. Posicionar a espécie como o primeiro mamífero conhecido a tornaria parte da linha evolutiva que sobreviveu a dois eventos de extinção em massa, incluindo o ataque de asteroides que eliminou os dinossauros não-aviários no final do período Cretáceo há 66 milhões de anos e permitiu que os mamíferos se diversificassem na terra e no mar.

No entanto, nem todos estão convencidos pelas conclusões do estudo. “O estudo não apresenta dados para apoiar uma mudança na posição do Brasilodon”, disse Simone Hoffmann, professora associada do Instituto de Tecnologia de Nova York, nos EUA, especializada na história evolutiva dos primeiros mamíferos, à Live Science.

Exemplo de musaranho (Imagem: Udo Kieslisch/Shutterstock)

“Com base em todos os outros estudos, o Brasilodon não é um mamífero, certamente não é o mamífero mais antigo e nem mesmo é um mammaliaform (mamíferos e seus parentes mais próximos).” Hoffmann observou que os autores do estudo usam mamíferos e mammaliaforms quase de forma intercambiável no estudo.

Embora isso costumava ser prática comum na comunidade científica, disse ela, esses grupos agora devem ser considerados separados. “Os mamíferos são clado que está mais para trás na árvore evolutiva do que os mamíferos”, afirmou. “As mammaliaforms incluem os fósseis que antecederam os mamíferos, assim como os mamíferos.”

O Morganucodon é a forma de mamífero mais antiga conhecida, enquanto o Brasilodon é tipicamente colocado como grupo irmão ao lado de formas de mamífero na árvore evolutiva, ou como grupo irmão do próximo clado maior, os mamíferomorfos, de acordo com Hoffmann.

Dentes de difiodonte são característica conhecida de formas de mamíferos, mas enquanto encontrar essa característica no Brasilodon é “emocionante”, isso não significa necessariamente que ele pertença a outras formas de mamíferos, afirmou a pesquisadora.

Os animais herdam características de seus ancestrais, mas a vida está constantemente evoluindo e mudando para formar novos ramos na árvore evolutiva, prosseguiu. “As penas já foram consideradas uma característica definidora das aves. Agora sabemos que as penas surgiram muito antes e são comuns em muitos dinossauros. Mas só porque o Tiranossauro Rex foi reconstruído para ter penas não o torna um pássaro”, enfatizou a pesquisadora.

Richter reconheceu que as descobertas do estudo podem ser contestadas, observando que a classificação desses primeiros grupos de mamíferos é controversa e que a conversa sobre como os primeiros mamíferos são classificados está em andamento. “Este artigo ajudará a iluminar essa discussão”, acrescentou.

Via Live Science

Imagem destacada: Ilustração/Sociedade Anatômica Wiley

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!