A compra da Activision pela Microsoft Gaming terá investigações mais aprofundadas pelo Reino Unido. Na última quinta-feira (15), a Autoridade de Concorrência e Mercados do Reino Unido (CMA, na sigla em inglês), órgão antitruste do país, disse que vai ampliar a investigação após considerar que a Microsoft não oferece soluções pró-concorrência.

O CMA considera que a compra da Activision pela Microsoft pode “diminuir substancialmente a concorrência em consoles de jogos, serviços de assinatura de vários jogos e serviços de jogos em nuvem”.

Essa investigação aprofundada não significa que a aquisição não será aprovada, porém deve atrasar consideravelmente a fusão entre as empresas. Está será a Fase 2 das investigações pelo órgão do Reino Unido.

Leia mais:

publicidade
Amplo catálogo de games da Activision Blizzard que passariam a pertencer à Microsoft. (Imagem: Reprodução/Microsoft/Activision Blizzard)

No início do mês quando o CMA propôs a investigação aprofundada, a Microsoft emititu um comunicado dizendo que se coloca a disposição para colaborar com a investigação.

“A CMA está preocupada que ter controle total sobre este poderoso catálogo, especialmente à luz da já forte posição da Microsoft em consoles de jogos, sistemas operacionais e infraestrutura em nuvem possa resultar em danos à Microsoft para os consumidores, prejudicando a capacidade da Sony – rival de jogos mais próxima da Microsoft – de competir, assim como outros rivais existentes e potenciais novos participantes”.

Conforme uma fonte próxima informou à Reuters, a Microsoft está confiante em conseguir a aprovação dos órgãos antitruste.

CEO do Xbox comenta novamente sobre a compra da Activision Blizzard

Enquanto o acordo entre a Microsoft e a Activision Blizzard está sendo analisado pelos órgãos reguladores pelo mundo, os conflitos da empresa do Xbox com a Sony vem se intensificando. O chefe do console, Phil Spencer, compartilhou mais uma vez seus pensamentos sobre o assunto.

Spencer foi entrevistado no canal CNBC nesta última quinta-feira (15). Os comentários da Sony e de Jim Ryan, CEO do PlayStation, sobre a proposta da Microsoft em relação a “Call of Duty” foram levantados na conversa. De acordo com Ryan, a oferta do Xbox foi “inadequada” em diversos níveis.

Na entrevista, Spencer foi questionado sobre a promessa de manter o game no PlayStation por “vários anos” e se essa questão poderia ir além, como garantir a permanência do FPS no console da Sony para sempre. O chefe do Xbox afirmou que sua expectativa é que “Call of Duty” continuasse no PlayStation e em outras plataformas.
“Não posso falar muito sobre o estado atual dos processos regulatórios apenas por causa do mecanismo envolvido”, afirmou Spencer. “Esclareci publicamente para nossos fãs e clientes, nossos maiores compromissos, que nossa expectativa é que continuemos a enviar ‘Call of Duty’ no PlayStation e em outras plataformas onde as pessoas possam jogá-lo. Espero expandir os lugares onde as pessoas estão jogando todos os nossos jogos“, acrescentou.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!