Nesta sexta-feira (16), os fabricantes de automóveis Stellantis e Renault irão interromper parcialmente as suas fábricas espanholas nas próximas semanas. O anúncio foi dado por representantes do sindicato, e o motivo é a falta de microchips.

Leia mais:

publicidade

A falta global de chips, causada pela pandemia, a crescente procura e a queda da produção tem devastado o setor automotivo, com muitas empresas interrompendo temporariamente suas produções.

De acordo com um representante do sindicato CCOO, duas fábricas da Renault na região espanhola de Castela e Leão serão paralisadas temporariamente. Uma delas irá fechar totalmente no sábado (17) e a outra cancelará turnos ao decorrer dos dias das próximas semanas.

publicidade
Renault e Stellantis param suas produções por falta de materiais
T. Schneider / Shutterstock.com

Ao mesmo tempo a Stellantis foi cancelando turnos noturnos de sábado e domingo em sua fábrica de Vigo, no noroeste da Espanha.

Além disso, nos últimos meses, ambas as empresas interromperam a produção várias vezes em outros períodos.

publicidade

“Eles pararam a produção por 15 dias em fevereiro. A escassez de insumos pode significar mais interrupções a qualquer momento”, relatou um representante do sindicato Stellantis à Reuters.

“Renault hoje é apenas uma sombra do que já foi”, diz ex-CEO

Sobretudo, o ex-CEO da Renault, Carlos Ghosn, disse em entrevista ao jornal francês Le Parisien que a montadora tornou-se uma “sombra do que já foi” no passado. Na longa conversa com a publicação, o executivo disse estar triste com a decadência do grupo, que vive grave crise desde 2019, embora tenha se isentado de qualquer responsabilidade parcial na queda — Ghosn era o mandatário da companhia no início do processo.

publicidade

“Conduzi o crescimento da montadora durante 13 anos, obtive resultados excepcionais e agora alguns têm a indecência de dizer que os maus resultados de 2019, 2020 e 2021, são por causa de mim?”, questionou o ex-CEO da Renault, que tratou de atacar em seguida o atual chefão da marca, Luca de Meo. “Uma gestão que atribui todas as dificuldades a uma ‘corrida por volumes’. Eles poderiam ter encontrado ataques mais finos. Francamente, acho indecente.”

Leia mais em Olhar Digital

Via: Reuters

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!