Phil Spencer, o chefão da divisão Xbox dentro da Microsoft, bateu o martelo: Call of Duty continuará sendo lançado para consoles PlayStation pelos próximos anos. Até quando? Ele não deu uma data definitiva, mas garantiu que não pretende “puxar o tapete do PlayStation 7”.

A declaração do executivo foi dada ao podcast Decoder, do site The Verge. Spencer não garantiu Call of Duty em consoles PlayStation pelo resto da história, mas diz estar comprometido em continuar lançando games da franquia na plataforma rival.

Leia mais:

“Não é como se em algum momento eu fosse puxar o tapete do PlayStation 7 e dizer ‘hahaha você não assinou um contrato longo o suficiente'”, explicou Spencer. “Não há contrato que dure para sempre”, continuou. “Essa ideia de que poderíamos escrever ‘para sempre’ em um contrato eu acho um pouco boba, mas fechar um compromisso de longo prazo que deixaria a Sony confortável, os reguladores [órgãos que analisam a aquisição da Activision-Blizzard pela Microsoft] confortáveis… eu não tenho problema com isso”, concluiu.

publicidade

O executivo foi além e garantiu que não terá nenhuma “pegadinha” na disponibilização de Call of Duty no PlayStation, ao contrário do que muitos especularam. Usuários em redes sociais chegaram a considerar a possibilidade da Microsoft só permitir que assinantes do Game Pass rodassem o jogo mesmo em consoles da Sony, o que Spencer diz que não ocorrerá.

“Call of Duty nativo, não vinculado ao Game Pass, ou a streaming. Se eles quiserem a versão via streaming de Call of Duty, nós podemos fazer isso também, como já fazemos em nosso console”, disse. “Não tem nada escondido. Queremos continuar lançando Call of Duty no PlayStation sem nenhum tipo de ‘ahaha te peguei’. Entendo a preocupação das pessoas em relação a isso, e estou tentando ser o mais claro que posso,” concluiu.

A possibilidade de um jogo do calibre de Call of Duty se tornar exclusivo de consoles Xbox se tornou uma das maiores preocupações tanto da Sony quanto de órgãos reguladores desde que a Microsoft anunciou a aquisição da Activision Blizzard por US$ 68,7 bilhões. Um dos jogos mais vendidos do planeta ano após ano, Call of Duty mantém uma forte base de jogadores nos consoles da Sony, e a japonesa acreditava ficar em desvantagem em relação à concorrente caso perdesse os novos lançamentos da série. Phil Spencer, no entanto, vem negociando tanto com a Sony como com reguladores medidas para minimizar esses riscos.

Via The Verge

Imagem: Divulgação/Activision

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!