Prós
  • Bom desempenho
  • Câmera de qualidade
  • Bateria duradoura
Contras
  • Faltou 5G
  • Interface confusa
Nossa avaliação
Nota Final
8.0
  • Desempenho
    9.0
  • Câmeras
    9.0
  • Bateria
    10.0
  • Sistema/Interface
    7.0
  • Conectividade
    7.0

A Infinix é uma marca distribuída no Brasil pela Positivo que lançou recentemente o smartphone Infinix Note 12 Pro no Brasil. Trata-se de um aparelho intermediário com uma tela enorme, recursos voltados para gamers e também uma câmera imensa de 108 MP.

O Olhar Digital testou o dispositivo da marca. Confira abaixo quais foram as nossas impressões sobre o smartphone Infinix Note 12 Pro:

publicidade

Infinix 12 Pro: design e tela

O Infinix é um smartphone intermediário com um design atrativo: na parte frontal, como é de se esperar, uma tela imensa (6,7 polegadas) cortada por um pequeno espaço no formato de uma gota no canto superior para abrigar a câmera para selfies e videochamadas. A traseira tem um acabamento de policarbonato texturizada, dando um certo charme ao dispositivo.

O que se destaca na traseira é o módulo enorme para o conjunto triplo de câmeras adotado pela Infinix. Falaremos mais adiante sobre os sensores, mas é bom ressaltar aqui que é um módulo bem grande e facilmente perceptível. Não acho que chega a estragar o design do Note 12 Pro, mas, particularmente, prefiro quando são mais discretos. Logo abaixo das câmeras está o flash LED no formato de pílula.

publicidade
O módulo da câmera se destaca. Imagem: Daniel Junqueira/Olhar Digital
O módulo da câmera se destaca. Imagem: Daniel Junqueira/Olhar Digital

O celular é grandalhão, mas também é ao mesmo tempo leve (pesa cerca de 190g) e fácil de manusear, sem dar a impressão de que vai cair das mãos do usuário o tempo inteiro. Complementando os recursos físicos temos o botão de volume e de ligar/desligar na lateral direita (este último com um sensor de digitais acoplado para os recursos biométricos do aparelho), a entrada de chip e cartão SD na lateral esquerda, e conector USB-C para recarga e o cada vez mais raro conector de fones de ouvido.

O display é de boa qualidade: com tecnologia AMOLED, ele tem resolução Full HD+ e taxa de atualização de 60 Hz, o que é inferior a outros modelos disponíveis no mercado. Mas as imagens exibidas são excelentes, como é de se esperar dos painéis AMOLED, com cores precisas, bons níveis de contraste e balanço de branco.

publicidade
Infinix Note 12 Pro. Imagem: Daniel Junqueira/Olhar Digital
Infinix Note 12 Pro. Imagem: Daniel Junqueira/Olhar Digital

Desempenho

Equipado com o processador Helio G99 e com 8 GB de RAM, o Infinix Note 12 Pro é um aparelho intermediário com desempenho muito bom. Para tarefas mais básicas, como navegar na web, assistir filmes, ouvir música e pular de app para app, ele vai dar conta do recado muito bem.

E mais do que isso, ele também é capaz de rodar jogos de qualidade! Talvez não nas configurações mais altas, mas é possível sim se divertir com o aparelho. Testei Diablo Immortal: no modo básico, ele roda sem engasgos, mas, ao aumentar o nível de qualidade da imagem, o jogo acaba enfrentando uma ou outra queda de taxa de quadros. Nada que impossibilite a jogatina, ao mesmo tempo que é algo até esperado para um aparelho que não tem a pretensão de ser o mais potente do mercado.

publicidade

Jogar no Infinix 12 Pro é agradável também pelo design, que faz com que o aparelho seja facilmente manuseável na horizontal e, com uma tela bem grande, o usuário consegue apreciar o game sem que as mãos usadas para controle atrapalhem.

Por outro lado, a interface gráfica XOS da Infinix, baseada no Android 12, é meio… excessiva. Não me incomodo tanto com modificações da interface gráfica, mas acho que o Note 12 Pro se perde no excesso de apps de utilidade questionável que acompanham o dispositivo e não podem ser removidos. Fui bombardeado por notificações me recomendando canções de artistas que não faço ideia de quem sejam em um aplicativo chamado Boomplay.

A interface foi bastante modificada e pode ser um pouco confusa. Imagem: Daniel Junqueira/Olhar Digital
A interface foi bastante modificada e pode ser um pouco confusa. Imagem: Daniel Junqueira/Olhar Digital

Entendo que experiências próprias de empresas podes beneficiar usuários, mas fico incomodado quando tanta coisa que não me interessa é empurrada via notificações ou coisas do tipo. Não que todos os recursos extras do Note 12 Pro sejam inúteis, mas quando há excesso deles, a experiência de uso acaba sendo um pouco prejudicada. Um exemplo de modificação que achei bacana foi uma gaveta de atalhos que pode ser puxada a partir das laterais da tela e permite pular para outros apps de maneira bem simples.

Por fim, um ponto bastante negativo no Infinix Note 12 Pro é a ausência de conectividade 5G: a marca lançou um aparelho da linha compatíveis com redes móveis de quinta geração, mas esse modelo específico só se conecta a redes 4G e inferiores. Em meio à transição do 4G para 5G que vivemos, pode ser um fator decisivo na hora de decidir por comprar (ou não) o smartphone.

Bateria e recarga

A bateria do Infinix Note 12 Pro é bem grande – 5.000 mAh – e surpreendentemente duradoura. Com um uso médio para intenso, ou seja, com consumo de vídeos e música, acesso constante à internet e até algumas sessões de jogos, consegui chegar ao fim do dia com carga disponível – não se preocupe muito em andar por aí com carregador, pois ele não vai precisar ser ligado à tomada com frequência.

Sobre a recarga, ela é feita a partir da porta USB-C na parte inferior do dispositivo. O Infinix Note 12 Pro acompanha um carregador de 33W na caixa, e, em média, ele vai de 0% a 100% em cerca de duas horas.

Câmeras

Na traseira, a Infinix incluiu um conjunto triplo de câmeras, contando com um sensor principal de 108 MP acompanhado por um de profundidade de 2 MP e um e uma QVGA. A escolha por não incluir uma câmera ultrawide é curioso – é um recurso presente em diversos smartphones disponíveis no mercado.

Ainda assim, o software do smartphone faz uso de inteligência artificial para melhorar a qualidade das imagens. Isso significa que o aplicativo da câmera pode selecionar o melhor modo de fotografia pelo usuário, em vez dele ativar recursos como HDR ou mesmo o modo noturno manualmente. O resultado é bastante satisfatório, e nos testes vi que o aparelho com frequência fazia a melhor escolha possível.

As imagens resultantes são de excelente qualidade. Confira alguns exemplos abaixo:

Foto capturada com a câmera principal do Infinix Note 12 Pro. Imagem: Daniel Junqueira/Olhar Digital
Foto capturada com a câmera principal do Infinix Note 12 Pro. Imagem: Daniel Junqueira/Olhar Digital
Foto tirada com o modo Noturno. Imagem: Daniel Junqueira/Olhar Digital
Foto tirada com o modo Noturno. Imagem: Daniel Junqueira/Olhar Digital
Foto tirada com o modo Super Noite. Imagem: Daniel Junqueira/Olhar Digital
Foto tirada com o modo Super Noite. Imagem: Daniel Junqueira/Olhar Digital

A câmera frontal, voltada para selfies e videochamadas, tem 16 MP e também garante boas imagens.

Selfie tirada com o modo retrato da câmera frontal. Imagem: Daniel Junqueira/Olhar Digital
Selfie tirada com o modo retrato da câmera frontal. Imagem: Daniel Junqueira/Olhar Digital

Conclusão

O Infinix Note 12 Pro está longe de ser um smartphone perfeito. Com uma interface exagerada em recursos questionáveis e alguns apps de pouca utilidade, ele também peca por não ter 5G. Os alto-falantes não são péssimos, mas também não são excelentes. A tela poderia ter taxa de atualização melhorada. Por outro lado, a câmera é de excelente qualidade, o desempenho é bastante satisfatório e a bateria aguenta que é uma beleza. Ah, ele também tem 256 GB de armazenamento interno para guardar muitas fotos e aplicativos.

Ele é um bom aparelho dentro da faixa de preço de R$ 2.000 (o valor sugerido pela Positivo), e, ignorando as eventuais escorregadas, tem tudo para garantir uma boa experiência de uso para os usuários.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!