O CEO da OpenAI, Sam Altman, disse, nesta segunda-feira (10), que considera abrir um escritório e expandir os serviços da empresa no Japão. Fala veio após uma reunião com o primeiro-ministro do país, Fumio Kishida.

O primeiro-ministro e Altman conversaram sobre progresso tecnológico e méritos da IA (inteligência artificial), bem como seus riscos, incluindo privacidade e violação de direitos autorais, segundo o secretário-chefe do gabinete, Hirokazu Matsuno.

Leia mais:

O Japão avaliará a possibilidade de introduzir tecnologia baseada em IA – por exemplo, o ChatGPT, da OpenAI – enquanto examina os benefícios e riscos disso, acrescentou Matsuno. Isso porque o chatbot levantou questões de privacidade recentemente, levando a Itália a proibi-lo temporariamente.

publicidade

“Esperamos construir algo bom para o povo japonês, tornar os modelos melhores para a língua e a cultura japonesas”, disse Altman a repórteres após a reunião com Kishida. Sua visita ao Japão é a primeira viagem internacional desde o lançamento do ChatGPT.

Outra reunião do CEO da OpenAI

Pessoa usando notebook com ilustração do ChatGPT em cima
Japão considera introduzir IA para reduzir carga de trabalho dos funcionários do governo (Imagem: Adobe Stock)

Em uma reunião separada na sede do partido governante do Japão, o CEO se disse esperançoso de que o Japão, como potência geopolítica, desempenhe um papel na adoção da IA ​​e na criação de regras.

O secretário-chefe do gabinete do primeiro-ministro do Japão disse a repórteres que o país consideraria a adoção pelo governo de tecnologia de IA se questões de privacidade e segurança cibernética fossem resolvidas.

Após a restrição do ChatGPT na Itália, que levou outros países europeus a estudarem tais medidas, a OpenAI apresentou, na semana passada, medidas para remediar preocupações de violação de privacidade.

Enquanto isso, o Japão continuará avaliando possibilidades de introduzir IA para reduzir a carga de trabalho dos funcionários do governo. Mas isso vem após avaliar como responder a preocupações como violações de dados, segundo o secretário-chefe Matsuno.

Com informações da Reuters

Imagem de destaque: TechCrunch / Wikimedia Commons

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!