Um estudo publicado na revista Nature na última semana ressaltou o papel fundamental dos microrganismos presentes no solo no armazenamento de carbono. Esses micróbios são os responsáveis por fazer com que a terra armazene até três vezes mais desse componente do que a atmosfera, sendo importante aliado no combate às mudanças climáticas.

Carbono na terra

De acordo com Yiqi Luo, professor da Cornell University, em Nova York, o grupo é um dos primeiros que “avaliou a importância relativa dos processos microbianos em relação aos demais”.

Leia mais:

Isso porque a disponibilidade de carbono no solo é um tema amplamente estudado, mas as pesquisas sempre vêm no sentido de relacioná-lo com outros processos orgânicos, como às raízes das plantas e da serrapilheira (cobertura de folhas e outros materiais orgânicos em diferentes estágios de composição no solo, cobrindo a terra).

publicidade

estudo-pesquisa-seca
Micróbios também são fundamentais na saúde do solo (Imagem: Piyaset/Shutterstock)

Importância dos micróbios

  • Porém, a dinâmica dos micróbios pode ser até quatro vezes maior do que outros que acontecem no mesmo solo;
  • Para chegar a essa conclusão, o grupo de cientistas mediu a eficiência do uso de carbono pelos microrganismos, procurando entender qual a quantidade da substância que eles absorvem, quanto usam para crescer e quanto permanece nas células em relação ao que é perdido no metabolismo;
  • Eles descobriram que, quando armazenado na célula, o carbono não contribui com o efeito estufa.

Micróbios e segurança alimentar

Os pesquisadores também constataram que a presença dos micróbios no solo é fundamental para a manutenção da saúde e, consequentemente, para boa produção agrícola.

Assim, procurar maneiras de melhorar a eficiência do uso de carbono pelos microrganismos do solo pode melhorar a segurança alimentar no mundo.

imagem-microrganismos-pele
Dinâmica dos microrganismos entre si é novo campo de estudo (Imagem: ART-ur/Shutterstock)

Outras pesquisas

Para esse estudo, os cientistas usaram cálculos a partir de técnicas de aprendizagem de máquina e big data, analisando grande quantidade de informações de banco de dados com informações do solo de todo o mundo.

Agora, eles esperam que a metodologia deles possa auxiliar outros estudos semelhantes ao redor do mundo.

Com informações de Nature

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!