Um debate que já dura anos pode estar com os dias contados! Uma expedição à selva sul-americana pretende encerrar de vez a discussão sobre qual é o maior rio do mundo, o Nilo ou o Amazonas?

Usando barcos movidos a energia solar e de pedal, uma equipe internacional de exploradores planeja percorrer todos os 7 mil quilômetros de extensão do Amazonas, da nascente, na Amazônia dos Andes peruanos, até a foz, no Brasil. Coordenador do projeto, o explorador brasileiro Yuri Sanada garante que “o principal objetivo é mapear o rio e documentar a biodiversidade dos ecossistemas circundantes”.

Vale do Rio Nilo
Visão aérea do Rio Nilo (Imagem: Alexdjvu/Shuterstock)

Leia mais

A expedição deve partir em abril de 2024. A equipe de exploradores também planeja fazer um documentário sobre os trabalhos.

publicidade

Nilo ou Amazonas, qual é o maior, afinal?

  • O rio Amazonas é reconhecido atualmente como o maior rio do mundo em volume, superando o Nilo, o Yangtze e o Mississippi juntos.
  • No entanto, existe uma disputa geográfica de décadas sobre qual é o mais longo, o Amazonas ou o Nilo? A discussão prossegue até hoje por um motivo muito simples: a falta de consenso sobre onde começa e termina o Amazonas.
  • O Guinness of Records concede o título de mais longo ao rio africano.
  • Segundo a Enciclopédia Britânica, o comprimento do Nilo é de 6.650 quilômetros, contra 6.400 quilômetros do Amazonas. A medição é levada em conta a partir das cabeceiras do rio Apurimac no sul do Peru.
  • Em 2014, o neurocientista e explorador norte-americano James “Rocky” Contos desenvolveu uma teoria alternativa, colocando a nascente do Amazonas um pouco mais longe, no rio Mantaro, no norte do Peru. Isso significaria que o rio é mais longo do que se pensava até então.
Rio Amazonas
Visão aérea do Rio Amazonas (Imagem: guentermanaus/Shutterstock)

Como será feita a expedição?

  • A expedição de Sanada rastreará as fontes de Apurimac e Mantaro.
  • Um grupo percorrerá o Mantaro de rafting. O outro viajará pelas margens do Apurimac a cavalo com a exploradora francesa Celine Cousteau, neta do lendário oceanógrafo Jacques Cousteau.
  • No ponto de convergência dos rios, Sanada e outros dois exploradores embarcarão na etapa mais longa da viagem, viajando em três canoas motorizadas feitas sob medida, alimentadas por painéis solares e pedais, equipadas com um sensor para medir a distância.
  • Os barcos serão equipados com uma cabine à prova de balas, e a equipe está negociando com as autoridades para obter uma escolta armada para as zonas mais perigosas.
  • A expedição é apoiada por grupos internacionais, incluindo o The Explorers Club e a coleção de mapas de Harvard.
  • Se for bem-sucedida, a expedição poderá ser replicada no Nilo, acabando de vez com qualquer discussão sobre o rio mais longo do mundo.

Com informações de PHYS.ORG.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!