O contato com espaços verdes, como parques e praças, ajuda numa série de fatores. Entre eles, amenizar a sensação de calor e combater a poluição e o estresse típicos das grandes cidades. Mas e se eles retardassem o envelhecimento?

É exatamente isso que aponta um estudo publicado na revista Science Advances. Segundo a pesquisa, os espaços verdes podem ajudar também a retardar o envelhecimento biológico, garantindo uma “sobrevida” de 2,5 anos.

Leia mais

“Acreditamos que nossas descobertas têm implicações significativas para o planejamento urbano em termos de expansão da infraestrutura verde para promover a saúde pública e reduzir as disparidades de saúde”, afirmou Kyeezu Kim, principal autor do estudo e pós-doutorando na Faculdade de Medicina Feinberg da Universidade Northwestern, nos Estados Unidos.

publicidade

Como os espaços verdes nos fazem mais jovens?

  • A equipe responsável pelo estudo examinou modificações químicas do DNA conhecidas como “metilação”. Trabalhos anteriores mostraram que os chamados “relógios epigenéticos” baseados na metilação do DNA podem ser um bom preditor de condições de saúde, como doenças cardiovasculares, câncer, função cognitiva e uma maneira mais precisa de medir a idade do que os anos civis.
  • Kim e seus colegas acompanharam mais de 900 pessoas brancas e negras de quatro cidades americanas – Birmingham, Chicago, Minneapolis e Oakland – durante um período de 20 anos, de 1986 a 2006.
  • Usando imagens de satélite, a equipe avaliou o quão próximos os endereços residenciais dos participantes estavam de parques e espaços verdes e analisou esses dados com amostras de sangue coletadas nos anos 15 e 20 do estudo, para determinar sua idade biológica.
  • A equipe construiu modelos estatísticos para avaliar os resultados e controlar outras variáveis, como escolaridade, renda e fatores comportamentais, como tabagismo, que podem ter afetado os resultados.
  • Eles descobriram que as pessoas que vivem em casas cercadas por 30% de cobertura verde em um raio de cinco quilômetros eram, em média, 2,5 anos mais jovens biologicamente em comparação com aquelas cujas casas eram cercadas por 20% de cobertura verde.

Diferença entre negros e brancos

  • O estudo ainda apontou que pessoas negras com mais acesso a espaços verdes eram apenas um ano biologicamente mais jovens, enquanto pessoas brancas eram três anos mais jovens.
  • “Outros fatores, como estresse, qualidades do espaço verde circundante e outros apoios sociais, podem afetar o grau de benefícios dos espaços verdes em termos de envelhecimento biológico”, disse Kim, explicando as disparidades que exigem mais estudos.
  • Por exemplo, parques em bairros carentes usados para atividades ilícitas podem ser menos frequentados, o que acaba com os benefícios.
  • Agora, os pesquisadores querem entender quais são exatamente os benefícios à saúde, para descobrir como os espaços verdes podem reduzir o envelhecimento na prática.

Com informações da Medical Xpress.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!