A ciência já foi longe ao produzir cérebros artificiais. Agora, pesquisadores da Universidade de Michigan desenvolveram uma forma de produzir os órgãos artificialmente e em miniatura, o que poderá ajudar nos estudos sobre como as condições neurodegenerativas começam e são tratadas.

Leia mais:

Minicérebros artificiais

  • Os cérebros artificiais em miniatura são chamados de organoides cerebrais humanos e são livres de células animais.
  • Os pesquisadores criaram o órgão usando tecidos derivados de células-tronco impressos em 3D. Assim, eles atingiram um modelo mais perto possível da complexa estrutura cerebral humana.
  • Os pesquisadores passaram meses cultivando os minicérebros, usando tecidos e fluidos que imitam os do corpo humano.
  • Também foi fundamental que eles replicassem as condições do corpo humano, para entender como os processos se dão em uma situação real.
  • Esse modelo surgiu como uma alternativa às pesquisas usando cérebros de camundongos, já que esse método exigia a utilização de substâncias com composições variáveis de lote para lote, o que afetava o resultado.
Médico e enfermeiros durante cirurgia com holograma de cérebro logo acima paciente sendo operado
Pesquisadores usaram modelos de células-tronco para criar o cérebro artificial (Imagem: Reprodução/Dr. Robert Louis)

Importância

Segundo o autor sênior do estudo, o diretor do Instituto de Biointerfaces da Universidade de Michigan, Joerg Lahann, os minicérebros permitem avanços nas pesquisas e na compreensão da biologia e do neurodesenvolvimento.

Os cientistas há muito lutam para traduzir a pesquisa com animais para o mundo clínico, e esse novo método tornará mais fácil para a pesquisa translacional passar do laboratório para a clínica.

Joerg Lahann
Pessoa cutucando reprodução pequena de cérebro em gesso com uma agulha
Invenção poderá ajudar na compreensão de como doenças se desenvolvem e a achar tratamentos (Imagem: Shidlovski/iStock/Getty Images)

Resultados

Com o sucesso do projeto, a coautora do estudo, Eva Feldman, revela que será possível usar as células-tronco de um paciente que tenha uma doença neurodegenerativa, como o Alzheimer, na construção de um minicérebro “personalizado”.

publicidade

Assim, os médicos serão capazes de ver como a doença vai progredir naquela réplica e testar tratamentos, para então aplicá-los de forma segura no ser humano.

Esses modelos criariam outro caminho para prever doenças e estudar o tratamento em um nível personalizado para condições que geralmente variam muito de pessoa para pessoa.

Eva Feldman

Com informações de Medical Xpress

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!