O embaixador dos Estados Unidos na China teve seu e-mail hackeado e centenas de milhares de informações da Casa Branca podem ter sido comprometidas. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (20) pelo The Wall Street Journal.

Leia mais

Segundo a reportagem, além do embaixador Nicholas Burns, o secretário de Estado adjunto para o Leste Asiático dos Estados Unidos, Daniel Kritenbrink, também foi vítima do ataque hacker proveniente da China. O Departamento de Estado da Casa Branca não forneceu maiores detalhes e disse que as investigações sobre o caso estão em andamento.

O que se sabe sobre o ataque hacker

  • Os criminosos conseguiram acesso aos e-mails de cerca de 25 organizações, incluindo pelo menos duas agências do governo dos Estados Unidos, após uma falha no sistema da Microsoft.
  • Os hackers foram identificados como Storm-0558 , um grupo que usa principalmente espionagem, acesso a credenciais e roubo de dados para atingir agências governamentais na Europa Ocidental.
  • “No mês passado, as salvaguardas do governo dos EUA identificaram uma invasão na segurança da nuvem da Microsoft. Os funcionários imediatamente contataram a Microsoft para encontrar a fonte e a vulnerabilidade em seu serviço de nuvem. Continuamos a manter os fornecedores de compras do governo dos EUA em um alto limite de segurança”, disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Adam Hodge. 
  • Liu Pengyu, porta-voz da embaixada da China em Washington, afirmou que são “infundadas” as especulações sobre a origem dos ataques cibernéticos.
  • “A China se opõe firmemente e combate ataques cibernéticos e roubo cibernético em todas as formas. Esta posição é consistente e clara. Identificar a origem dos ataques cibernéticos é uma questão técnica complexa. Esperamos que os lados relevantes adotem uma atitude profissional e responsável… em vez de fazer especulações e alegações infundadas”, observou.

Microsoft libera ferramentas gratuitas

  • A Microsoft disse que hackers chineses se apropriaram indevidamente de uma de suas chaves digitais e usaram uma falha no código da empresa para acessar os e-mails de agências governamentais dos EUA e de outros clientes.
  • Após fortes críticas pelo ocorrido, a Microsoft anunciou que os usuários não precisarão mais pagar para ter acesso a ferramentas que ajudam na identificação de ataques hackers.
  • A novidade passa a valer a partir de setembro deste ano.
  • Confira mais detalhes sobre o anúncio da empresa clicando aqui.

Com informações de Reuters.

publicidade

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!