Adam Selipsky, CEO da Amazon Web Services (AWS), compartilhou insights sobre a estratégia da empresa em relação à nuvem e à inteligência artificial (IA) em uma entrevista recente ao The Verge. Selipsky enfatizou a importância de flexibilidade e escolha na abordagem da Amazon para enfrentar os desafios da IA e moldar o futuro tecnológico.

Leia mais:

Nós realmente inventamos a categoria [de serviços em nuvem] e a abordamos de uma forma muito flexível. Nossa abordagem nos permitiu criar equipes realmente especializadas, então podemos atender a uma ampla variedade de necessidades dos clientes.

Adam Selipsky, CEO da AWS, ao The Verge

Ao abordar a intersecção entre a IA e a nuvem, Selipsky expressou sua crença no potencial disruptivo da IA em quase todas as áreas, profissionais e pessoais. Ele comparou a atual fase da IA com apenas “três passos em uma corrida de 10 mil metros”. Embora o impacto seja inegável, o CEO da AWS salientou que a trajetória exata ainda está por ser determinada.

Uma das principais implicações da IA é seu vínculo intrínseco com a nuvem. Selipsky enfatizou que a estratégia de dados é fundamental para que a IA funcione efetivamente, uma vez que uma ampla gama de aplicações, desde educação até serviços financeiros e criação de ativos, exige uma compreensão profunda dos dados disponíveis.

publicidade

“A nuvem e a inteligência artificial realmente estão muito interconectadas. E para a inteligência artificial funcionar de maneira eficaz, você precisa de dados”, pondera o CEO da AWS. “Acredito que qualquer pessoa que já tenha investido em suas plataformas de dados na AWS está em uma posição muito boa para começar a aproveitar a IA.”

As empresas que vêm trabalhando em suas plataformas de dados dentro da AWS por um longo tempo têm uma grande vantagem em serem capazes de pegar isso e dizer: ‘Ok, agora essa coisa que eu quero construir — um chatbot de atendimento ao cliente ou qualquer coisa que seja — eu posso fazer isso muito melhor porque meus dados sabem como se alimentar disso.’ A plataforma de dados moderna está na nuvem. Está na AWS. Esse é um exemplo poderoso de como os dados na nuvem e a IA generativa estão interligados.

Adam Selipsky ao The Verge

Ao considerar os desafios econômicos da inteligência artificial, Selipsky reconheceu que a IA generativa é uma área dispendiosa. Para tornar esta modalidade economicamente viável, ele enfatizou a importância da inovação contínua para reduzir os custos.

Nós já lançamos alguns chips próprios, como o Trainium e o Inferentia, e esses são exemplos de como estamos tentando continuar inovando, para que a IA possa se tornar cada vez mais acessível para empresas e startups.

Adam Selipsky ao The Verge

Inteligência artificial, segurança e responsabilidade

A segurança também permanece uma prioridade crucial para a AWS na era da IA, segundo seu CEO. Selipsky ressaltou a necessidade de garantir que os modelos de IA sejam seguros e privados, especialmente para empresas estabelecidas, governos e entidades regulamentadas.

“Precisamos ter certeza de que os modelos de inteligência artificial sejam seguros e de que sejam privados”, afirma Selipsky. “Estamos trabalhando para que seja possível colocar esses modelos de IA em ambientes muito isolados e seguros, para que as organizações possam ter mais controle sobre o que estão fazendo.”

Em relação às preocupações sobre o uso responsável da IA, Selipsky mencionou que a AWS está implementando melhorias nos modelos para reduzir a “alucinação”, ou seja, a geração de informações falsas.

Além disso, ele anunciou que a AWS está lançando “cartões de serviço” para fornecer aos clientes informações transparentes sobre os modelos que utilizam, permitindo que tomem decisões informadas.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!