Pesquisadores de Michigan, no Estados Unidos, descobriram que uma droga em desenvolvimento para tratar o câncer de próstata tem potencial contra a Covid-19. Um estudo apontou que a proxalutamida consegue quebrar o receptor de andrógeno, bloqueando a infecção pela doença.

Leia mais

Ação contra a Covid-19

  • A equipe de pesquisadores adicionou a proxalutamida às células infectadas com SARS-Co-V2 para monitorar sua capacidade de bloquear a entrada viral.
  • O composto funciona ligando-se aos receptores de andrógeno, inibindo os níveis de TMPRSS2 e ACE2, e bloqueando a infecção.
  • Além disso, a proxalutamida funcionou melhor do que outras drogas usadas no combate ao câncer de próstata contra várias variantes do SARS-CoV2 devido à sua capacidade de quebrar o receptor de andrógeno.
  • Segundo os pesquisadores, quando combinada com o medicamento remdesivir, aprovado pela FDA, a agência regulatória de medicamentos dos Estados Unidos, a droga bloqueou a infecção em 100% dos casos, segundo informações da Medical Xpress.
  • “Esta descoberta ressalta a utilidade de testar medicamentos existentes para novas aplicações que podem ser rapidamente avaliadas em humanos para encurtar o cronograma da descoberta à avaliação clínica”, disse Jonathan Sexton, Ph.D., professor adjunto da medicina interna na Faculdade de Medicina da Universidade de Michigan.

Testes em camundongos

  • Impulsionada por seus resultados in vitro, a equipe procurou ver se o composto poderia parar a chamada tempestade de citocinas, ou resposta inflamatória grave, causada pela infecção por SARS-CoV-2.
  • Com testes realizados em camundongo, eles demonstraram que a droga reduziu a inflamação e a morte celular nos pulmões dos animais e reduziu a mortalidade.
  • O medicamento está atualmente na fase 3 de testes clínicos para câncer de próstata.
  • Já em relação ao uso contra a Covid-19, a droga ainda está na fase de ensaios clínicos iniciais.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!