Um grupo de autores dos Estados Unidos, incluindo o vencedor do Prêmio Pulitzer, Michael Chabon, entrou com um processo contra a OpenAI em um tribunal federal em San Francisco. Eles acusam a startup apoiada pela Microsoft de uso indevido de suas obras para treinar seu popular chatbot com inteligência artificial, o ChatGPT.

Chabon, o dramaturgo David Henry Hwang e os autores Matthew Klam, Rachel Louise Snyder e Ayelet Waldman alegaram em sua ação judicial na última sexta-feira que a OpenAI copiou suas obras sem permissão para ensinar o ChatGPT a responder a prompts de texto humanos.

Leia mais:

Os representantes de Chabon encaminharam perguntas sobre o processo para os advogados dos escritores. Esses advogados e os representantes da OpenAI não responderam imediatamente aos pedidos de comentário na segunda-feira.

publicidade

O processo afirmou que obras como livros, peças e artigos são particularmente valiosos para o treinamento do ChatGPT, pois representam os “melhores exemplos de escrita de alta qualidade e longa extensão”.

Os autores alegaram que suas obras foram incluídas no conjunto de dados de treinamento do ChatGPT sem sua permissão, argumentando que o sistema é capaz de resumir com precisão suas obras e gerar texto que imita seus estilos.

O processo solicitou uma quantia não especificada em danos monetários e uma ordem para bloquear as “práticas comerciais ilegais e injustas” da OpenAI.

Outros casos

  • Este processo é pelo menos a terceira ação coletiva proposta por violação de direitos autorais apresentada por autores contra a OpenAI, apoiada pela Microsoft.
  • Empresas como Microsoft, Meta Platforms e Stability AI também foram processadas por proprietários de direitos autorais devido ao uso de suas obras no treinamento de IA.
  • A OpenAI e outras empresas argumentaram que o treinamento de IA faz uso justo de material protegido por direitos autorais retirado da internet.
  • O ChatGPT tornou-se a aplicação de consumo de crescimento mais rápido da história no início deste ano, atingindo 100 milhões de usuários ativos mensais em janeiro, antes de ser superado pelo aplicativo Threads da Meta.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!