As galáxias são verdadeiras ilhas cósmicas que povoam o vasto e misterioso Universo. Elas são os elementos fundamentais do cosmos, agrupando estrelas, planetas, gás interestelar, poeira cósmica e, possivelmente, vida. Vamos explorar o que são esses sistemas cósmicos, os diferentes tipos que existem, como elas se formam e muito mais.

Leia também:

O que são as galáxias?

Basicamente, as galáxias são sistemas massivos compostos por estrelas, planetas, gás, poeira cósmica e matéria escura. Elas são as unidades fundamentais do Universo observável, atuando como verdadeiras cidades de estrelas, onde bilhões ou até mesmo trilhões de astros estão agrupados por meio da atração gravitacional.

Tipos de Galáxias

Existem vários tipos de galáxias, cada uma com características distintas. Essencialmente, existem três principais categorias que são bem características. São elas:

publicidade

As Galáxias Espirais são conhecidas por suas formas distintas em espiral. Elas possuem um núcleo brilhante e braços espirais que se estendem a partir do núcleo. A Via Láctea, nossa galáxia, é um exemplo desse tipo. Elas frequentemente abrigam sistemas solares e, portanto, são relevantes para a busca por vida extraterrestre.

Imagem de galáxia espiral
Galáxia espiral barrada NGC 1300 (Imagem: NASA, ESA, and The Hubble Heritage Team STScI/AURA)

Já as Galáxias Elípticas têm uma forma mais arredondada e, geralmente, não apresentam braços espirais. Elas são compostas principalmente por estrelas mais antigas e contêm menos gás e poeira cósmica em comparação com as espirais. As elípticas podem variar de tamanhos, desde pequenas até gigantescas.

imagem de galáxia eliptica
Galáxia elíptica ESO 325-G004 (Imagem: NASA, ESA, and The Hubble Heritage Team STScI/AURA)

Enquanto isso, as Galáxias Irregulares, como o nome sugere, não possuem uma forma definida, com estrelas e matéria distribuídas de forma caótica. Essas galáxias podem ter sido resultado de colisões ou interações com outras galáxias e por sua vez acabaram tendo essa forma desconexa.

exemplo de galáxia irregular
Galaxia irregular NGC 1427 (Imagem: NASA, ESA, and The Hubble Heritage Team STScI/AURA)

Quantas galáxias existem no universo?

Determinar o número total de galáxias no universo é uma tarefa desafiadora, pois envolve estimativas baseadas em observações limitadas que consistem em algumas barreiras.

  1. Limitações tecnológicas: A primeira grande barreira para contar o número total desse sistema estelar é a limitação tecnológica. Até onde podemos observar com nossos telescópios e instrumentos, encontramos centenas de bilhões desses sistemas. No entanto, há partes do universo que estão além do alcance da nossa tecnologia atual, tornando impossível ter um censo completo.
  2. Universo em expansão: O universo está em constante expansão. Isso significa que as galáxias estão se afastando umas das outras ao longo do tempo. A expansão do universo torna ainda mais difícil estimar o número total, pois as que estão se afastando muito rapidamente podem nunca ser observadas por nós.
  3. Galáxias obscuras: Existem grupos que não emitem muita luz visível, como as galáxias anãs ou galáxias com alta quantidade de matéria escura. Elas são muito difíceis de detectar, o que torna a contagem precisa ainda mais complicada.
  4. Limitações de tempo: O tempo que a luz leva para viajar até nós é um fator crítico. Como mencionado anteriormente, algumas galáxias estão tão distantes que a luz delas ainda não teve tempo de alcançar a Terra desde o início do universo. Isso significa que algumas delas podem estar “invisíveis” para nós, pelo menos até que sua luz finalmente nos alcance.
  5. Estimativas estatísticas: A contagem do número geral muitas vezes se baseia em estimativas estatísticas. Astrônomos usam amostras de galáxias observáveis para extrapolar e fazer estimativas do número total com base nas características conhecidas das galáxias próximas. Essas estimativas podem variar dependendo das suposições feitas.
  6. Descobertas contínuas: A pesquisa astronômica está em constante evolução, com novos telescópios e métodos de observação sendo desenvolvidos. À medida que nossa tecnologia melhora e novas descobertas são feitas, nossa estimativa do número total também pode mudar.

Dito isso, a estimativa conservadora de pelo menos 2 trilhões de galáxias no universo observável é baseada nas observações disponíveis e em extrapolações. No entanto, essa é uma estimativa mínima e é muito provável que o número real seja muito maior. À medida que a ciência avança, nossa compreensão do universo e a capacidade de fazer estimativas mais precisas sobre seu tamanho e conteúdo também continuarão a evoluir. Portanto, o mistério do número exato de galáxias permanece uma questão intrigante e em constante investigação para a comunidade científica.

O Que existe dentro de uma Galáxia?

Uma galáxia é um sistema complexo que abriga uma grande variedade de elementos cósmicos. Aqui estão alguns dos principais componentes que podem ser encontrados dentro de um desses sistemas astronômicos:

  • Estrelas: As estrelas são os principais habitantes de uma galáxia. Elas variam em tamanho, cor e idade. As estrelas são responsáveis pela produção de luz e calor que ilumina a galáxia.
  • Planetas e Sistemas Solares: Assim como o nosso Sistema Solar faz parte da Via Láctea, outras galáxias também podem conter sistemas solares com planetas e luas.
  • Gás interestelar: O gás interestelar é composto principalmente por hidrogênio e hélio, mas também contém traços de outros elementos. Ele desempenha um papel crucial na formação de novas estrelas e na alimentação de processos de fusão nuclear.
  • Poeira cósmica: A poeira cósmica é composta por pequenas partículas de material sólido que flutuam no espaço intergaláctico. Ela desempenha um papel importante na formação de estrelas e na absorção de radiação.
  • Matéria escura: A matéria escura é uma forma misteriosa de matéria que não emite luz ou energia eletromagnética. No entanto, ela exerce influência gravitacional e desempenha um papel crucial na formação e na estabilidade das galáxias.

Como as Galáxias se formam?

A formação das galáxias é um processo complexo e ainda não completamente compreendido pela ciência. No entanto, os astrônomos têm algumas teorias e hipóteses que explicam como elas podem ter se formado ao longo da história do Universo.

A teoria mais aceita é a da formação hierárquica, que sugere que as galáxias se formaram gradualmente por meio da aglutinação de pequenas estruturas chamadas halos de matéria escura. Sendo atraída pela gravidade, esses halos acabam atraindo também gases interestelares, que são compostos principalmente de hidrogênio e hélio, que ao se acumularem, começam também a se contrair e a esfriarem.

Após esses gases esfriarem o suficiente, eles começam a formar estrelas e é teorizado que a primeira geração de estrelas nesses sistemas é composta principalmente desses fases de hidrogênio e hélio, sendo por sua vez estrelas super massivas e muito brilhantes. Ao passo que essas estrelas envelhecem, elas acabam produzindo elementos mais pesados em seus núcleos por meios de processos nuclearem, que são lançados no espaço quando as estrelas explodem em supernovas.

Esses elementos mais pesados por sua vez enriquecem o gás interestelar com elementos como carbono, oxigênio, ferro e muitos outros, que são essenciais para a formação de sistemas solares com planetas, luas e demais corpos celestes. Com o tempo, esse amontoado de sistemas solares, estrelas e demais materiais acabam se agregando e formando galáxias anãs, que como o nome sugere, são pequenas em comparação a outras. Ao longo de sua própria evolução, com estrelas entrando em supernova, nascendo e morrendo, o nascimento de buracos negros e outros eventos cósmicos acabam fazendo com que as galáxias evoluam e cresçam, se fundindo com outras galáxias e formem galáxias ainda mais complexas.

É importante ressaltar que o processo de formação de galáxias é contínuo e ocorre ao longo de bilhões de anos. A compreensão completa desse fenômeno ainda é um desafio para a astronomia, e os astrônomos continuam a estudar galáxias para desvendar seus segredos.

FAQ

Qual é a diferença entre galáxia e Universo?

A diferença fundamental entre uma galáxia e o Universo está em sua escala. Uma galáxia é um sistema massivo composto por estrelas, planetas, gás e matéria escura, enquanto o Universo é o termo que abrange tudo o que existe, incluindo todas as galáxias, estrelas, planetas, matéria escura e energia em expansão.

Quantas galáxias existem no Universo?

O Universo é vasto e em constante expansão, e a quantidade exata de galáxias é difícil de determinar com precisão. No entanto, estudos recentes sugerem que pode haver pelo menos 2 trilhões desses amontoados cósmicos no Universo observável. É importante ressaltar que essa estimativa pode aumentar à medida que a tecnologia e as observações astronômicas avançam.

Qual é a maior galáxia do Universo?

A maior galáxia conhecida no Universo é a IC 1101. Ela é do tipo elíptica supergigante e está localizada a cerca de 1 bilhão de anos-luz da Terra, na constelação de Serpens. A IC 1101 é notável por seu tamanho extraordinário, com um diâmetro estimado de cerca de 6 milhões de anos-luz, tornando-a uma das maiores galáxias já observadas.

Em resumo, as galáxias são os blocos de construção fundamentais do Universo, abrigando uma incrível diversidade de estrelas, planetas e outros elementos cósmicos. Elas se formam ao longo de bilhões de anos por meio de processos complexos, e o Universo abriga uma quantidade impressionante desses sistemas, cada uma com suas próprias características únicas.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!