O Google concordou em pagar US$93 milhões (R$452,4 milhões) para resolver um processo movido pelo estado da Califórnia que acusava o mecanismo de busca de empresa de enganar consumidores sobre a forma que seus dados de localização eram coletados para fins publicitários.

Leia mais:

Para quem tem pressa:

  • O procurador-geral da Califórnia, Rob Bonta, anunciou nesta quinta-feira (14) o acordo com a big tech que resolve “alegações de que suas práticas de privacidade de localização violavam as leis de proteção ao consumidor da Califórnia”, diz o comunicado;
  • Há anos, o Departamento de Justiça da Califórnia investiga o Google sobre acusações de que a empresa estava enganando usuários ao coletar, armazenar e usar dados de localização para fins publicitários sem o devido consentimento;
  • Além da quantia em dinheiro, a empresa concordou em tomar medidas para evitar que esse tipo de conduta com os dados de usuários.

Nossa investigação revelou que o Google estava dizendo uma coisa a seus usuários – que não rastrearia mais sua localização depois que eles desistissem –, mas fazendo o oposto e continuando a rastrear os movimentos de seus usuários para seu próprio ganho comercial. Isso é inaceitável e responsabilizamos o Google pelo acordo de hoje.

Rob Bonta, procurador-geral da Califórnia.

Outros casos de privacidade semelhantes

  • Como lembra o Hacker News, a gigante das buscas já concordou com outros três acordos no último ano para resolver acusações de privacidade semelhantes;
  • Em novembro de 2022, a empresa concordou em pagar US$391,5 milhões como resolução das mesmas acusações em 40 estados norte-americanos;
  • Em janeiro de 2023, a empresa pagou US$29,5 milhões para resolver duas ações judiciais em Indiana e Washington, DC;
  • Em maio, um acordo foi feito com o estado de Washington por US$39,9 milhões;
  • Atualmente, há um processo com foco nas práticas de rastreamento de localização movido pelo estado do Texas.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!