No último sábado (7), o grupo palestino Hamas — organização militante islâmica — iniciou um ataque contra Israel com foguetes sendo lançados em diversas cidades do país. Como resposta ao ataque, o governo israelense declarou “estado de alerta para guerra” e enviou mísseis em direção a Faixa de Gaza, dando início a um novo conflito armado no Oriente Médio.

Apesar de ser um ataque surpresa, os conflitos entre Israel e Palestina são comuns. Por isso, os israelenses contam com um sistema de defesa aérea, conhecido como “Domo de Ferro”, projetado justamente para interceptar foguetes disparados contra o país.

Porém, segundo especialistas, o alto nível de foguetes lançados inesperadamente contra Israel fez com que o Domo de Ferro ficasse “sobrecarregado”, isso porque ele conta com um número limitado de interceptadores, conforme relatou o The Scotsman. Com isso, parte dos lançamentos conseguiram passar pelo escudo israelense.

Criação do Domo de Ferro

  • O sistema começou a ser elaborado há mais de três décadas durante conflitos na região de Israel durante a década de 1990 e 2000;
  • O projeto começou a ser desenvolvido pela Rafael Advanced Defense Systems a partir de 2007 e contou com um investimento técnico e financeiro dos Estados Unidos;
  • Sabe-se que, o investimento dos EUA na tecnologia passa de 1,6 milhão de dólares;
  • O projeto foi colocado em operação apenas em 2011 para proteger o país contra grupos militares do Líbano e Palestina e obteve sucesso ao interceptar lançamentos de mísseis.
Domo-de-Ferro-misseis (1)
Projéteis Tamir do Domo de Ferro interceptando mísseis lançados. (Imagem: Oren Ravid /Shutterstock)

Como funciona?

  • O Domo de Ferro é projetado para detectar mísseis lançados em um alcance de quatro a 70km e derrubá-los utilizando um projétil chamado de Tamir, conforme explica uma reportagem de 2021 da CNN;
  • O sistema é composto por três elementos: um radar de detecção e rastreamento, um sistema de controle de armas e gerenciamento de batalha (BMC) e uma unidade de disparo de mísseis (MFU);
  • As informações do radar são transmitidas para o centro de controle, que consegue calcular a trajetória do míssil lançado e seu impacto, então o projétil Tamir é lançado para interceptá-lo;
  • “ A carga útil do míssil interceptor [Tamir] explode perto do míssil invasor, em um local que não deve causar ferimentos”, explica uma nota oficial das Forças Armadas de Israel;
  • A ideia é que esse sistema seja portátil, podendo sem movida para diferentes regiões, inclusive em veículos militares.
Domo de Ferro
(Imagem: Dmitriy Feldman svarshik/ Shutterstock)

O Domo de Ferro falhou nos ataques recentes?

Em 2021, segundo autoridades israelenses, o Domo de Ferro teve uma eficácia de 90% contra lançamentos aéreos do próprio Hamas.

publicidade

No entanto, como mencionado anteriormente, os ataques recentes, contam com um aspecto deixou o sistema vulnerável: a quantidade de lançamentos. De acordo com o governo de Israel, foram disparados cerca de 2.200 foguetes pelo grupo palestino.

Todo o sistema falhou. Não é apenas um componente. É toda a arquitetura de defesa que evidentemente falhou em fornecer a defesa necessária aos civis israelitas.

Jonathan Conricus, antigo porta-voz internacional das Forças de Defesa de Israel à CNN.

Além da quantidade, o aspecto surpresa do ataque fez com que a tecnologia ficasse limitada.

Na história militar há sempre grandes surpresas, Pearl Harbor, Barbarossa, (a) guerra do Yom Kippur. No final das contas, a inteligência só pode ir até certo ponto.

Naftali Bennett, ex-primeiro-ministro de Israel ao Fareed Zakaria.