Você sabia que existem locais nos quais uma das pedras mais preciosas e desejadas da Terra caem do céu? Pois é, esse fenômeno acontece em planetas do nosso sistema solar e também em um lugar bem distante. Continue a leitura para saber mais sobre esse curioso fenômeno.

Leia mais:

publicidade

O que é a “chuva de diamantes”?

A “chuva de diamantes” é uma estranha forma de precipitação em planetas que possuem condições climáticas para isso. Pesquisadores vêm descobrindo que esse fenômeno é mais comum do que parece no universo.

Por que e onde acontece esse fenômeno?

Em 2022 foi publicado um estudo na revista Science Advances no qual apontou que nos planetas Netuno e Urano acontece a “chuva de diamantes”. Isso ocorre por conta das condições climáticas extremas dos locais.

Em fala no podcast Gravity Assist da NASA, em 2022, a astrofísica, Naomi Rowe-Gurney, explicou a ocorrência do fenômeno. “O metano, substância altamente poluente composta por carbono, pode ser encontrado em sua forma pura e está sujeito a grandes pressões nas profundezas da atmosfera, muito além do que podemos observar. Ele é um elemento vital na atmosfera de Urano e Netuno, sendo responsável pela sua coloração azul devido à sua elevada concentração.”

A especialista explicou, que assim a “chuva de diamantes” ocorre, pois nas regiões internas desses planetas, as temperaturas e densidade extremas fazem com que diamantes sejam formados. Dessa forma, eles ganham peso e caem como chuva na atmosfera.

Mas engana-se quem pensa que essa precipitação acontece apenas em Urano e Netuno. A mais de 1.100 anos-luz de distância do nosso sistema solar, um planeta colossal, chamado de HAT-P-7b, também recebe a chuva de safiras e rubis. Isso porque a sua atmosfera possui a predominância de óxido de alumínio e as temperaturas podem chegar até 2.000º C. Dessa maneira, cientistas afirmam que isso, alinhado aos ventos intensos, permitem que o fenômeno aconteça.

Tem como coletar esses diamantes?

Com as condições extremas desses planetas e contando com a tecnologia atual, que ainda é pequena para esse tipo de expedição, é muito difícil humanos conseguirem chegar a estes locais e coletar essas pedras preciosas.