Um novo chip, produzido com base na sinóvia, um tecido semelhante a uma membrana que reveste as articulações, é a nova esperança no tratamento para a artrite. A tecnologia foi desenvolvida por pesquisadores da Queen Mary University of London.

Leia mais

Como funciona o chip

O chip contra a artrite é um dispositivo microfluídico tridimensional que contém células sinoviais humanas e células de vasos sanguíneos. Na prática, ele é submetido a uma carga mecânica, que imita as forças aplicadas durante o movimento articular.

Segundo informações da Queen Mary University of London, o modelo foi capaz de imitar o comportamento da sinóvia humana, produzindo componentes-chave do líquido sinovial e respondendo à inflamação, sugerindo potencial para ajudar na compreensão dos mecanismos das doenças e na identificação de novas terapias.

publicidade

Nosso modelo é o primeiro modelo humano com carga mecânica aplicada e replica com sucesso uma série de características-chave da biologia nativa da sinóvia. A sinóvia vascularizada em um chip pode atuar como um modelo fundamental para a pesquisa acadêmica, com a qual questões fundamentais podem ser abordadas, e a complexidade (outros tipos de células e tecidos) pode ser adicionada. Além disso, prevemos que nosso modelo possa eventualmente fazer parte das discussões sobre a descoberta de medicamentos em um ambiente industrial.

Dr. Timothy Hopkins, membro da Versus Arthritis Foundation e coautor principal do estudo

Os pesquisadores agora estão usando o modelo de sinóvia para estudar os mecanismos da artrite e para desenvolver outros mais personalizados com o objetivo de combater a doença. Segundo eles, a tecnologia tem o potencial de transformar os testes pré-clínicos, agilizando a criação de novas terapias para o tratamento da artrite.

Chip contra a artrite (Imagem: Hopkins et al, 2023/Queen Mary University of London)

Artrite, o que é?

  • A artrite é a inflamação de uma ou mais articulações provocada por alterações no sistema de defesa do organismo.
  • Os sintomas mais comuns são dor, inchaço, calor e vermelhidão, e as articulações mais atingidas são as das mãos, pés, punhos, cotovelos, joelhos e tornozelos.
  • As articulações inflamadas provocam rigidez matinal, fadiga e com a progressão da doença, há destruição da cartilagem articular e os pacientes podem desenvolver deformidades e incapacidade para a realização de suas atividades tanto de vida diária como profissional.
  • Não há cura para a artrite.