A Amazon anunciou nesta quarta-feira (18) que está começando a fase de testes de entregas de medicamentos via drones. Segundo a empresa, os clientes em College Station, Texas, receberão seus remédios direto na porta de casa uma hora após realizarem o pedido no site. 

O que você precisa saber: 

  • O drone, que faz parte da divisão Prime Air da Amazon, está programado para funcionar como uma farmácia móvel segura; 
  • Os clientes poderão escolher entre mais de 500 medicamentos, uma lista que inclui tratamentos comuns para doenças como gripe ou pneumonia. Substâncias controladas não serão disponibilizadas; 
  • Após receber o pedido, o drone viajará até o endereço do cliente e descerá a uma altura de cerca de quatro metros para deixar o pacote; 
  • A Amazon Prime já entrega alguns medicamentos da farmácia da empresa em até dois dias, mas, segundo a companhia, isso não é rápido o suficiente no que diz respeito ao tratamento de doenças agudas. 

Leia mais! 

Esse não é o primeiro teste do Prime Air que a Amazon coloca em prática. A big tech começou a usar o serviço de entrega com drones para utensílios domésticos em dezembro passado, na Califórnia. 

publicidade

A empresa de Jeff Bezos também não é, claro, a única a experimentar o modelo de delivery. De acordo com o TechXplore, a rede de drogarias CVS Health trabalhou com a United Parcel Service (UPS), uma das maiores empresas de logística do mundo, para testar entregas de remédios em 2019 na Carolina do Norte. 

A Intermountain Health também aderiu ao sistema de entregas de medicamentos por drones em 2021. O programa, que segue ativo, funciona na área de Salt Lake City, em Utah. 

Vale lembrar que Bezos previu há uma década que os drones fariam entregas até 2018. O maior desafio das empresas, no entanto, são os reguladores, que querem garantir segurança. Até o momento, as aprovações limitam áreas geográficas específicas e consideram a utilidade do serviço por região e para as empresas.  

A Amazon vem aumentando sua presença na área de saúde há alguns anos. No que diz respeito ao uso dos drones, a companhia pretende expandir o programa para outros mercados, embora não tenha prazo para isso.