O governo brasileiro planeja retomar o plano de fabricar chips semicondutores no país. Para isso, o presidente Lula assinou um decreto na última segunda-feira (06) que impede a extinção do Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada S.A (Ceitec). A estatal passava pelo processo de “dissolução societária”, iniciado no governo de Jair Bolsonaro.

Leia mais

publicidade

O decreto foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União desta segunda-feira, e excluiu o Ceitec do Programa Nacional de Desestatização (PND). Segundo o governo, o novo decreto considera as conclusões de um grupo de trabalho interministerial, que avaliou o processo de dissolução da estatal, criada em 2008.

A retomada da Ceitec representa uma oportunidade importante para impulsionar o setor de semicondutores, aumentando a competitividade e relevância do Brasil no mercado global.

Luciana Santos, ministra da Ciência, Tecnologia e Inovação

Nos últimos anos, o Ceitec recebeu R$ 800 milhões em aportes públicos. No entanto, a estatal nunca conquistou relevância nacional ou internacional dentro do mercado de chips. As informações são de O Globo.

Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada S.A (Imagem: assessoria de imprensa/Ceitec)

Setor é alvo de intensas disputas mundiais

Atualmente, o mercado de chips semicondutores é dominado por Taiwan e Coreia do Sul. Mas nos últimos anos a China tem investido pesado no setor, o que gera preocupações no governo dos Estados Unidos e de países europeus.

Para evitar o desenvolvimento da tecnologia chinesa e uma dependência de Pequim, várias sanções foram anunciadas contra a China. Essa disputa ficou conhecida como a “guerra dos chips“.

A Casa Branca anunciou uma série de medidas que proíbem que o governo chinês importe os chips mais avançados, mas também adquira os insumos para desenvolver seus próprios semicondutores e supercomputadores avançados, e até mesmo dos componentes, tecnologia e software de origem americana que poderiam ser usados para produzir equipamentos de fabricação de semicondutores para, eventualmente, construir suas próprias fábricas para fabricar seus próprios chips.

Nesse cenário, a entrada do Brasil no mercado pode acabar suprindo a demanda deixada pelas restrições aos chineses.

Chips da Intel
Chips semicondutores (Imagem: Wallpaper Flare)

Importância dos chips semicondutores

  • Nos últimos anos, os chips semicondutores se tornaram uma força vital da economia moderna e o cérebro de todos os dispositivos e sistemas eletrônicos, de iPhones até torradeiras, data centers a cartões de crédito.
  • Um carro novo, por exemplo, pode ter mais de mil chips, cada um gerenciando uma operação do veículo.
  • Os semicondutores também são a força motriz por trás das inovações que prometem revolucionar a vida no próximo século, como a computação quântica e a inteligência artificial, como o ChatGPT, da OpenAI.