A Lua voltou a receber destaque nas missões espaciais. Após a Chandrayaan-3, da Índia, pousar em um ponto inexplorado do polo sul do satélite natural da Terra, em agosto de 2023, agora é a vez da Rússia planejar enviar cosmonautas para lá pela primeira vez na história.

Leia mais

publicidade

Pouso na Lua e criação de base lunar

Vladimir Solovyov, da empresa RKK Energia, apresentou o plano do país para o futuro. De acordo com o planejamento divulgado, a Rússia quer realizar o primeiro pouso tripulado russo da história na Lua na próxima década. Além disso, Moscou pretende construir uma base lunar a partir de 2031, segundo a corporação russa responsável pelos voos espaciais tripulados.

O plano russo também descreve a exploração dos recursos lunares, sem entrar em maiores detalhes sobre o assunto. Todas essas operações seriam realizadas entre 2031 e 2040. As informações são do UOL.

Em agosto deste ano, a primeira missão russa à Lua em 47 anos acabou fracassando. Na oportunidade, a espaçonave Luna-25 ficou fora de controle e colidiu com o satélite natural.

O objetivo do governo de Vladimir Putin é recuperar um pouco do prestígio internacional após a invasão da Ucrânia. Além disso, busca retomar os momentos de glória do programa espacial da então União Soviética.

Primeira missão russa à Lua em 47 anos foi lançada neste ano, mas acabou fracassando (Imagem: Reprodução/YouTube/Roscosmos TV)

Tradição espacial soviética

  • Apesar do astronauta americano Neil Armstrong ter ficado famoso, em 1969, por se tornar a primeira pessoa a caminhar na Lua, a missão soviética Luna-2 foi a primeira a alcançar a superfície lunar, em 1959.
  • Já a missão Luna-9, em 1966, foi a primeira a fazer um pouso suave no satélite.
  • E Yuri Gagarin tornou-se o primeiro ser humano no espaço sideral em 12 de abril de 1961.
  • Tudo isso em meio à corrida espacial que fez parte da Guerra Fria.
  • Após o fim da União Soviética, em 1991, a Rússia, herdeira da URSS, acabou enfrentando anos de grave crise econômica e social e nunca conseguiu repetir os feitos, ou até mesmo investimentos, em tecnologia espacial realizados no passado.