Com o avanço da crise climática causada pelo aquecimento global, avançam também estratégias para tornar a Terra mais sustentável e diminuir esses efeitos. Dois exemplos de soluções para isso são os painéis solares, que dispensam o uso de combustíveis fósseis para produção de energia, e o replantio de florestas. Agora, um estudo descobriu que a estratégia da energia solar é ainda mais eficaz do que restituir a vegetação perdida.

Leia mais:

Aquecimento global: painéis solares vs. florestas

Apesar de ambas estratégias serem benéficas para o meio ambiente, ao passo que devolvem a vegetação nativa e diminuem o uso de combustíveis fósseis poluentes, os pesquisadores quiseram entender qual compensa mais.

Isso porque o replantio de florestas faz com que a vegetação absorva o carbono do ar e o transforme em oxigênio, mas também escura a superfície da Terra, aumentando a absorção de calor. O mesmo vale para os painéis solares.

publicidade

Então, eles decidiram medir o albedo da superfície, que corresponde à fração de radiação solar refletida por ela, para entender qual método equilibra a vantagem e a consequência em menos tempo.

Foto aérea de Yatir, com o campo e a floresta onde os testes foram feitos (Foto: Jonathan D. Muller/Reprodução)

Resultados

  • Para isso, eles mediram o albedo em um campo solar na região hiperárida do vale do Arava e na floresta Yatir, ambos em Israel.
  • No primeiro caso, dos painéis solares, o ponto de equilíbrio acontece depois de cerca de 2 anos e meio.
  • Eles descobriram que isso é cerca de 50 vezes mais rápido do que o mesmo ponto de equilíbrio das florestas replantadas.
  • Ainda segundo a pesquisa, divulgada no site Tech Xplore, a diferença não é tão grande em terras úmidas e a energia solar continua saindo na frente como mais vantajosa.
  • No entanto, eles destacam que a importância das florestas vai além de mitigar o aquecimento global, mas também inclui ecossistemas, regulação climática e serviços sociais.