A tecnologia de chaves digitais está revolucionando a forma como os usuários interagem com seus carros, possibilitando travar, destravar e até mesmo ligar os veículos apenas pelo telefone celular. Essa tendência vem ganhando força no mercado automobilístico, porém, ainda há desafios a serem superados antes que essa tecnologia se torne amplamente aceita pelo público.

As chaves digitais, atualmente, são oferecidas apenas em alguns modelos de carros e é necessário resolver diversas questões para garantir seu funcionamento adequado. Entre as principais questões a serem consideradas, estão:

  • A escolha das tecnologias a serem utilizadas, tais como Near-field communication (NFC), Ultra wideband (UWB) e Bluetooth;
  • A garantia de segurança contra hackers;
  • O que acontece quando o telefone celular fica sem bateria.

Leia mais:

Para estabelecer padronização em relação às chaves digitais, dois consórcios da indústria automobilística se uniram: Car Connectivity Consortium (CCC) e FiRa Consortium.

publicidade

Chaves digitais na prática: desafios e soluções

Atualmente, algumas montadoras já oferecem chaves digitais aos seus clientes. No entanto, nem sempre o funcionamento dessas chaves é perfeito. Um exemplo disso é a Tesla, que inicialmente planejava oferecer apenas chaves digitais para o Model 3, mas acabou optando por também disponibilizar chaves físicas devido à demanda dos clientes.

Para garantir a eficiência e a segurança das chaves digitais, o vice-presidente da CCC, Daniel Knobloch, em entrevista ao The Verge, destaca a importância da padronização. Isso permite a interoperabilidade entre diferentes marcas de carros e dispositivos, facilitando a vida dos usuários.

Segurança das chaves digitais: prioridade

Quando se trata de chaves digitais, a segurança é uma preocupação central. Por isso, estão sendo implementadas tecnologias, como elementos seguros e medidas de distância criptografadas, visando garantir proteção contra possíveis ataques hackers.

Embora as chaves digitais possam auxiliar na redução de furtos de carros, é importante considerar que seu nível de segurança e efetividade depende das tecnologias utilizadas em cada chave.

Compatibilidade e acessibilidade das chaves digitais

Um dos benefícios das chaves digitais é sua compatibilidade com telefones mais antigos, permitindo que os usuários desfrutem desses recursos mesmo que possuam modelos de telefone mais antigos.

Essa compatibilidade é essencial para garantir transição suave e facilitar a adoção dessa tecnologia por parte dos usuários.

Imagem: CCC

Confira, a seguir, partes da entrevista concedida por Knobloch ao The Verge:

Ao longo dos anos, vimos que houve alguns exemplos de hackers e ladrões de carros falsificando chaveiros e tecnologia de entrada sem chave com vários OEMs de automóveis. Como as pessoas podem confiar que esta tecnologia não enfrentará problemas semelhantes?

Todo esse protocolo foi projetado com grande foco nesse ponto – que pode ser tornado seguro. E parte disso é que, dentro do telefone, estão os cálculos criptográficos e as chaves são elementos seguros, peça de hardware isolada e separada. Mesmo que um telefone esteja comprometido, ele não estará comprometido. Estamos usando banda ultralarga, que permite medição de distância criptograficamente segura.

Se você sabe onde está a chave e consegue ouvir realmente os sinais, a chave está a cerca de 100 metros de distância do carro. Literalmente, não há como retransmitir ou encurtar a medição da distância, porque, na verdade, o tempo de voo, tempo que o sinal precisa para viajar até o carro e voltar, é medido de forma criptográfica.

A ampla adoção desta tecnologia ajudaria mesmo a reduzir roubos de automóveis no futuro?

É difícil dar resposta geral aqui, porque, nos porta-chaves, você tem variedade de protocolos. Então, a mesma tecnologia com o mesmo nível de segurança também é usada em porta-chaves.

Quando você está em algum lugar longe de casa e seu telefone fica sem bateria, ainda há uma maneira de ligar o carro?

As fabricantes de smartphones implementam diferentes tecnologias de bateria fraca. Portanto, se o telefone morrer, ele ainda funcionará. Se você comprar um aparelho, que suporta o WCC 3, a solução completa, que permite você se afastar passivamente.

A alternativa típica é que, se o telefone morrer, ele voltará para NFC. Só é possível operar um NFC por algum tempo. E então, neste caso, você tem que retirar o telefone e bater na alça para abrir o carro. Mas ainda funciona – o desempenho pode ser degradado, mas sempre funcionará.

A indústria automobilística considera esse novo sistema padrão, ou você está vendo alguma discussão sobre serviços de assinatura pelas quais os clientes deveriam pagar a mais?

O que tenho visto no mercado é que até agora está bastante aberto, mas não temos como saber. Quero dizer, você pode ver as opções que as montadoras mostram naquele momento.

A intenção do CCC é claramente que isto seja algo que tenha barreiras de entrada tão baixas quanto possível. Mas, no final das contas, é uma decisão das montadoras de veículos e fabricantes de dispositivos como levar isso ao cliente.

Como será o futuro imediato para esta tecnologia? Vimos isso em alguns carros, mas ainda não tem ampla adoção? Você acha que estamos à beira de adoção mais ampla no curto prazo?

É tecnologia em rápido crescimento e difícil de acompanhar o crescimento da organização e colocar tudo no lugar. Portanto, ainda não temos lista de dispositivos certificados. Mas tudo isso já começou. E as empresas estão se reunindo em PlugFests, onde testam seus veículos de hardware como fabricantes de dispositivos. Posso apenas ler aqui os nomes que vejo: Denso, Google, Samsung, Volvo, Apple, BMW, BYD, NIO, Xiaomi, Continental, Rivian, Mercedes Benz…

E quanto às pessoas com telefones mais antigos? Eles conseguirão acessar a tecnologia?

A solução que construímos aqui é de longo prazo e compatível com versões anteriores. Os primeiros telefones com suporte NFC foram lançados em 2020. E, agora, pode haver novos carros sendo lançados em 2023, 2024, que também suportam banda ultra larga.

Ainda aqueles telefones antigos que suportam apenas NFC com toque na maçaneta da porta, eles ainda funcionarão nos carros novos com banda ultra larga. Portanto, é um ecossistema que se baseia no desempenho do usuário mais baixo e mais fácil, na experiência do usuário… se desenvolve em experiências de usuário mais altas, ainda retrocedendo para criar ecossistema no qual, se você tiver chave digital, ela funcionará em seu novo carro com chave digital. Acho que isso é algo que as pessoas precisam saber, porque, às vezes, cria um pouco de confusão.