A Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço (NASA) e a IBM anunciaram um novo projeto para construir um modelo básico de IA para aplicações meteorológicas e climáticas. Segundo informações do Engadget, a tecnologia conseguirá prever fenômenos meteorológicos e identificar condições que levam desde incêndios florestais a turbulências em aviões.

O que você precisa saber: 

  • De acordo com a IBM, embora os modelos atuais, como GraphCast e Fourcastnet, já gerem precisões mais rápido que os meteorologistas, eles são apenas emuladores de IA, e não modelos básicos; 
  • Os emuladores de IA podem fazer previsões meteorológicas com base em conjuntos de dados de treinamento, mas não possuem aplicações para além disso — eles não codificam, por exemplo, a física que está no centro da previsão do tempo; 
  • Já o modelo básico, ou seja, grandes modelos de aprendizado de máquina treinados em grandes volumes de dados, é a tecnologia básica que alimenta aplicativos generativos. Ele funciona como um modelo de “fundação” para aprimorar ou automatizar totalmente tarefas em vários departamentos — e não apenas para casos específicos; 
  • Os modelos de base são perfeitos para setores onde os dados de treinamento podem ser muito difíceis — é o caso das ciências; 
  • Segundo a NASA e IBM, o novo modelo de IA deve oferecer “vantagens significativas sobre a tecnologia existente”. 

Leia mais! 

Em comparação com os modelos atuais, a NASA e IBM esperam que a nova IA tenha acessibilidade ampliada, tempos de inferência mais rápidos e maior diversidade de dados.  

publicidade

Outro objetivo importante é melhorar a precisão das previsões para outras aplicações climáticas: as capacidades esperadas incluem prever fenômenos meteorológicos, inferir informações de alta resolução com base em dados de baixa resolução e “identificar condições propícias a tudo, desde turbulência de aviões até incêndios florestais”. 

Vale lembrar que as empresas implantaram em maio deste ano o GPT das ciências, um modelo de código aberto que, agora, servirá justamente para a estruturação da nova IA. 

O GPT da NASA e IBM é o maior modelo geoespacial na plataforma de IA de código aberto da Hugging Face, empresa responsável pelas ferramentas para construção do código. O modelo tem sido utilizado para rastrear a plantação de árvores e atividades de cultivo em áreas de torres de água no Quénia e analisar ilhas de calor urbanas nos Emirados Árabes Unidos.