A Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu um comunicado dizendo que monitora a situação de uma nova variante do coronavírus.

Trata-se de uma subvariante da Ômicron chamada JN.1. Ela foi encontrada em vários países do hemisfério Norte, como China, Índia e Estados Unidos.

A entidade classificou a JN.1 como uma “variante de interesse” devido à “sua propagação rapidamente crescente”.

Vale destacar que o vírus que causa a Covid está em constante mudança e, por vezes, aparecem novas variantes.

publicidade

A OMS faz um acompanhamento permanente delas e as classifica de acordo com o grau de atenção que demandam.

A JN.1 é uma “variante de interesse”, assim como várias outras.

Nenhuma delas, porém (e ainda bem), é classificada atualmente como preocupante. Nenhuma delas acionou o estado de alerta ou emergência da entidade.

Devo me preocupar com essa notícia?

Não. De acordo com a OMS, o risco é considerado baixo uma vez que as vacinas atuais continuam eficazes.

A Ômicron se tornou a variante predominante no mundo há muito tempo e todas as doses disponíveis oferecem proteção contra ela.

Portanto, não há motivo para alarde.

Agora, mesmo sem um risco alto, é essencial reforçar a importância da imunização.

É preciso respeitar o esquema vacinal, tomando a primeira, segunda, terceira doses e assim por diante, de acordo com as recomendações do Ministério da Saúde.

Alerta maior no Hemisfério Norte

Segundo estudiosos, a subvariante JN.1 está se espalhando rapidamente nessa região por causa de uma mutação adicional na proteína spike quando comparada à variante BA.2.86, a antecessora dela.

A notícia acendeu um alerta no Hemisfério Norte, onde o inverno acabou de começar.

Por se tratar de uma estação fria, na qual as pessoas ficam menos ao ar livre, os especialistas esperam um aumento nos casos de doenças respiratórias, não só da Covid.

Nesse contexto, vale reforçar aqui as recomendações da OMS em relação a esse tipo de enfermidade.

Para prevenir infecções e doenças graves, a Organização aconselha:

  • Use máscaras em áreas fechadas e lotadas;
  • cubra a boca quando tossir e espirrar;
  • lave suas mãos regularmente;
  • acompanhe as notícias sobre as vacinas contra Covid e gripe, especialmente se estiver em um grupo de risco;
  • fique em casa se estiver doente;
  • faça o teste se tiver sintomas;
  • e não espalhe fake news.