Após o Barclays, banco universal de investimentos, rebaixar a classificação da Apple de “neutra” para “underweight”  e reduzir seu preço-alvo em 1 dólar, indo para US$ 160, as ações da big tech caíram 4% na terça-feira (2). Segundo informações da CNBC, as fracas vendas do iPhone 15 foram a base para a decisão, já que, segundo especialistas, o cenário é um forte indicativo de fracasso também no lançamento do iPhone 16. 

Para quem tem pressa: 

  • As baixas na venda do iPhone 15 ocorreram, principalmente, na China; 
  • A Apple encontrou no mercado uma forte rival este ano, a Huawei, que voltou com tudo em seu negócio de smartphones – ela lançou a linha Mate60, sucesso absoluto na China; 
  • Segundo análise do Barclays, há preocupações de que a demanda por dispositivos Apple, desde o iPhone até o Mac, permaneça fraca em 2024; 
  • Os serviços da empresa também podem ser impactados, já que muitos estão sendo analisados por autoridades devido às práticas da App Store; 
  • Com o rebaixamento e redução do preço, as ações da Apple agora possuem o seu maior número de recomendações pessimistas em dois anos, de acordo com dados da LSEG; 
  • A nova classificação pode significar uma perda de US$ 90 bilhões no valor de mercado da big tech mais valiosa do mundo. 

Leia mais! 

Apesar do embate com a Huawei, a Apple tem enfrentado uma desaceleração da demanda desde o início do ano passado, parte disso devido ao cenário tech e também a uma liminar que proibiu funcionários do governo chinês de usar dispositivos estrangeiros. De acordo com o banco de investimentos, a restrição deve continuar afetando a companhia em 2024. 

publicidade

O iPhone 15 tem sido fraco e acreditamos que o iPhone 16 deverá ser o mesmo”, disse o analista do Barclays Tim Long em relatório a clientes, apontando para o cenário na China e a fraca demanda em outros setores e mercados. 

O sucesso da Huawei 

A Huawei anunciou esta semana que, segundo previsão, a gigante chinesa de tecnologia encerraria o ano de 2023 com um crescimento de 9% em sua receita, superando os 642,3 bilhões de yuans relatados em 2022 (aproximadamente US$ 90,3 bilhões). 

O número grandioso vem após o sucesso com as vendas dos smartphones da série Mate 60, lançado em setembro de 2023. O lançamento do celular ocorreu paralelo à chegada do iPhone 15 e mostrou que a chinesa é uma forte rival com poder de domínio no mercado da China. Entenda mais aqui