Rumores têm circulado por algum tempo, permeando respeitáveis setores da comunidade astronômica e astrobiológica, de que o Telescópio Espacial James Webb (JWST, na sigla em inglês) descobriu um planeta com fortes evidências de vida.

Esses boatos recentemente vieram à tona quando a revista britânica The Spectator publicou um artigo intitulado “Será que acabamos de descobrir alienígenas?”. O artigo apresentou comentários de sérios cientistas britânicos, incluindo a astrofísica Rebecca Smethurst, que afirmou: “Acredito que teremos um artigo com fortes evidências de uma biossinal em um exoplaneta muito em breve”.

Além disso, o astronauta britânico Tim Peake alimentou a especulação com o comentário: “Potencialmente, o telescópio James Webb já pode ter encontrado [vida alienígena]… é só que eles não querem divulgar ou confirmar esses resultados até terem certeza, mas encontramos um planeta que parece estar emitindo fortes sinais de vida biológica”.

Leia mais:

publicidade

James Webb encontrou vida no exoplaneta K2-18 b?

Para obter algumas respostas, Eric Berger, do Ars Technica, perguntou aos oficiais da NASA, responsáveis pelo telescópio Webb, se eles haviam encontrado vida (ou, pelo menos, fortes evidências de vida em outro planeta ao redor de uma estrela que não a nossa). A resposta foi não, mas não foi um não categórico.

O JWST não encontrou evidências definitivas de vida em um exoplaneta. Antecipa-se que as observações do JWST possam levar à identificação inicial de possíveis biossinais que poderiam tornar a habitabilidade mais ou menos provável para um determinado exoplaneta. Missões futuras serão necessárias para estabelecer de forma conclusiva a habitabilidade de um exoplaneta.

Knicole Colón, cientista do projeto adjunta do Telescópio James Webb para ciência de exoplanetas

Embora ela não tenha mencionado explicitamente, Colón certamente se refere a K2-18 b, um exoplaneta 8,6 vezes mais massivo que a Terra, a 120 anos-luz do nosso Sistema Solar. Astrônomos acreditam que este pode ser um exoplaneta “hícean”, o que significa que possui oceanos de água em sua superfície e uma atmosfera rica em hidrogênio.

Observações intrigantes

  • O K2-18 b foi estudado anteriormente com o Telescópio Espacial Hubble, mas seu interesse foi ampliado quando o James Webb, que se tornou operacional no ano passado após o lançamento no final de 2022, fez algumas observações intrigantes.
  • Entre as moléculas encontradas pelo Webb estava o sulfeto de dimetila, um composto orgânico emitido por fitoplâncton nos oceanos da Terra como parte de seu processo metabólico.
  • Criticamente, na Terra, o dimetil sulfeto é produzido apenas por organismos vivos.
  • A descoberta do James Webb não prova a existência de vida em K2-18 b, mas se o dimetil sulfeto estiver presente lá, é certamente uma pista intrigante.
  • Berger também afirmou ter conversado com outros cientistas que saberiam se realmente tivéssemos descoberto vida em um exoplaneta, mas que talvez não estivessem dispostos a dizer isso publicamente.
  • Ele conta que os cientistas estão “definitivamente intrigados” com as observações que o Webb fez do exoplaneta K2-18 b.
  • No entanto, há um debate robusto em andamento sobre as medições do telescópio de água, metano e dimetil sulfeto. Elas são promissoras, mas não conclusivas.
  • Como Colón disse, precisamos de mais dados e possivelmente novos instrumentos para fazer uma chamada definitiva.