A Administração de Aviação Federal dos Estados Unidos (FAA) recomendou que todas as companhias aéreas que utilizam aviões Boeing 737-900ER inspecionem as portas de saída de emergência das aeronaves. O modelo tem o mesmo design de plugue de porta do jato 737 MAX 9 da Alaska Airlines que perdeu o painel em pleno voo no dia 5 de janeiro.

Leia mais

Vídeo relacionado

Embora o 737-900ER não faça parte da linha MAX da Boeing, a FAA recomendou as inspeções como um passo “adicional de segurança”. A empresa entregou 505 unidades da aeronave para companhias como Alaska Airlines, United Airlines, Delta Air Lines e Lion Air, da Indonésia. As informações são da CNN.

Relembre o caso

  • O avião da Alaska Airlines tinha decolado do aeroporto de Portland, na noite de sexta-feira (05).
  • Quando estava a 4.975 metros do chão, uma das portas – que fica no meio da aeronave – foi ejetada.
  • Isso abriu buraco na fuselagem, o que despressurizou a cabine do Boeing.
  • Máscaras de emergência caíram e os pilotos da aeronave precisaram realizar uma manobra de emergência para descer até uma altitude abaixo de três mil metros, na qual é possível respirar sem auxílio de equipamentos.
  • Apesar do susto, nenhum dos 171 passageiros e seis tripulantes a bordo se feriu.
  • O lugar ao lado da porta ejetada não estava ocupado.
  • Se estivesse, o passageiro poderia ser sugado para fora do avião, por conta da pressão atmosférica externa.
  • A porta do avião acabou sendo encontrada no quintal da casa de um professor em Portland na segunda-feira (08).

Veja como ficou o avião:

publicidade

Investigação encontrou peças soltas nos aviões

Após o episódio, uma investigação foi aberta e uma inspeção dos 171 aviões do modelo ao redor do mundo foi exigida pela mesma FAA. Foi então que a Alaska Airlines e a United Airlines encontraram peças e parafusos soltos em portas de emergência desativadas em aviões Boeing 737 Max 9.

A United Airlines relatou problemas na instalação do tampão da porta, como parafusos soltos, enquanto a Alaska Airlines confirmou a existência de peças soltas e garantiu que as aeronaves não voltarão ao serviço até que as inspeções sejam concluídas e as correções feitas.

publicidade

No Brasil, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) também suspendeu os voos com aviões do Boeing modelo 737 Max 9. Por aqui, o modelo é operado pela Copa Airlines, em voos internacionais com chegada e partida no Aeroporto de Guarulhos (SP).