Com o avanço da tecnologia, muitas crianças deixaram de brincar com papel e caneta, dando lugar aos tablets e celulares.

O cenário se repete, às vezes, nas próximas fases da vida acadêmica, abrangendo também a adolescência e a juventude, quando muitos vão pra universidade.

Usar um teclado é melhor, argumentam, porque geralmente é mais rápido do que escrever à mão. Isso, no entanto, pode estar prejudicando o aprendizado e até a memória dessas pessoas.

É o que aponta um estudo feito na Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia, publicado recentemente na revista científica Frontiers in Psychology.

publicidade

Segundo a professora Audrey van der Meer, uma das autoras da pesquisa, “ao escrever à mão, os padrões de conectividade cerebral são muito mais elaborados do que ao escrever num teclado”.

“Essa conectividade cerebral generalizada é conhecida por ser crucial para a formação da memória e para a codificação de novas informações e, portanto, é benéfica para a aprendizagem”, concluiu.

Como foram feitos os testes

Os pesquisadores coletaram dados de EEG de 36 estudantes universitários.

Foi pedido a eles que escrevessem palavras que apareciam em uma tela.

Primeiro, eles usaram teclados para digitar. Depois, foram dadas a eles canetas digitais, que funcionam em telas sensíveis ao toque.

Nas duas situações, os jovens foram acompanhados por um EEG, ou seja, uma eletroencefalografia, um exame que analisa a atividade elétrica cerebral espontânea, captada através da utilização de eletrodos colocados sobre o couro cabeludo.

Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia

A conectividade de diferentes regiões do cérebro aumentou quando os participantes escreveram à mão, mas não quando digitaram. O simples movimento de bater repetidamente numa tecla foi menos estimulante para o cérebro.

“Isso também explica por que as crianças que aprenderam a escrever e ler em um tablet podem ter dificuldade em diferenciar letras que são imagens espelhadas umas das outras, como ‘b’ e ‘d’. Elas literalmente não sentiram com seus corpos como é produzir essas letras”, disse van der Meer.

Embora os participantes tenham usado canetas digitais para escrever à mão, os pesquisadores disseram que esperam que os resultados sejam os mesmos quando usarem uma caneta real no papel.

É preciso equilíbrio

  • Ao escreverem o artigo, os pesquisadores deixaram claro que não são contra os avanços tecnológicos.
  • Reconhecem que a inserção de computadores e de Robótica, por exemplo, no ambiente escolar podem ser positivos para os estudantes.
  • Eles, no entanto, destacam que a escrita manual não deve nunca deixar de ser passada às crianças.
  • Segundo os cientistas, é preciso ter equilíbrio na hora de formar nossos jovens, aliando a tecnologia aos métodos tradicionais e que comprovadamente funcionam há tantos séculos.

As informações são do site Medical Xpress.