A NASA deseja estabelecer uma presença permanente na Lua, missões como a Artemis são apenas o começo. Mas nada disso será viável se não tiver energia por lá. Por isso, a agência desenvolve um ousado projeto para instalar um reator nuclear na Lua e o primeiro passo para isso foi concluído.

O que você precisa saber?

  • A NASA concluiu a primeira fase de seu projeto;
  • Que vista a construção de um reator nuclear na Lua;
  • Fundamental se a humanidade quiser uma presença constante por lá.

O anúncio da NASA diz que a fase de concepção do projeto, iniciada em 2022, finalmente foi concluída. Isso não significa que o reator está perto de virar realidade. O planejamento é que a instalação ocorra apenas na década de 2030, sem um ano definido.

Chamado de Fission Surface Power Project, o programa pretende criar energia seguras, limpas e confiáveis ​​na Lua, onde cada noite dura cerca de 14,5 dias terrestres, dificultando o uso de energia solar. A Lockheed Martin, Westinghouse e a IX (uma joint venture da Intuitive Machines e X-Energy) foram as empresas escolhidas para tocarem o projeto.

Terra vista da Lua
(Imagem: Elena11/Shutterstock)

“A noite lunar é um desafio do ponto de vista técnico, portanto, ter uma fonte de energia como este reator nuclear, que opera independente do sol , é uma opção que permite a exploração de longo prazo e esforços científicos na Lua”, Trudy Kortes, diretor do programa para missões de demonstração de tecnologia dentro da Diretoria de Missões de Tecnologia Espacial da NASA, em um comunicado de 31 de janeiro.

publicidade

Leia mais

A fase concluída foi a apresentação do projeto de criação de um reator nuclear na Lua nos próximos 10 anos. As empresas foram encarregadas de desenvolver o planejamento do programa, incluindo custos e prazos.

A fase 2 é justamente o projeto final do reator para uma demonstração lunar. “Teremos que levar algum tempo para processar tudo e ver o que faz sentido entrar na Fase 2 e aproveitar o melhor da Fase 1 para definir os requisitos para projetar um sistema de menor risco no futuro”, disse Lindsay Kaldon, gerente do projeto Fission Surface Power no Glenn Research Center da NASA.

Reator nuclear na Lua

A NASA estabeleceu poucas diretrizes para o reator e deu liberdade para as empresas definirem a abordagem. Alguns dos poucos requisitos é que o dispositivo tenha  40 quilowatts de potência, use urânio pouco enriquecido e não pese mais do que 6 mil quilos. Nos EUA, 40 kW podem, em média, fornecer energia elétrica para 33 residências, segundo a NASA.