Você já deve ter lido sobre como o ChatGPT – e inteligência artificial (IA), no geral – pode aumentar sua produtividade. Mas Aleksandr Zhadan usou a tecnologia em outra área da vida: conhecer pessoas no Tinder. O “CupidoGPT” conversou com 5.239 mulheres no aplicativo e marcou mais de 100 dates. Assim, Zhadan conheceu quem hoje é sua esposa.

Para quem tem pressa:

  • Aleksandr Zhadan programou o ChatGPT para otimizar suas interações no Tinder. O assistente conversou com 5.239 mulheres no aplicativo e marcou mais de 100 dates até conectá-lo a Karina Vyalshakaeva – hoje sua noiva;
  • Zhadan refinou o “CupidoGPT” para filtrar perfis com base em suas preferências pessoais, como evitar fotos com álcool ou menções a signos do zodíaco;
  • O assistente digital conectou Zhadan a Karina Vyalshakaeva em dezembro de 2022. Nos primeiros meses do relacionamento, Vyalshakaeva interagiu, sem saber, com o ChatGPT;
  • Com o tempo, o chatbot foi usado cada vez menos na comunicação com ela. Eventualmente, o “CupidoGPT” sugeriu que Zhadan pedisse Vyalshakaeva em casamento. Inicialmente, ele considerou a ideia uma alucinação da IA. Mas eventualmente seguiu o conselho;
  • O casal começou a viver juntos em 2023 – e planeja usar o ChatGPT para ajudar a organizar seu casamento. A história ilustra como a tecnologia, mesmo quando utilizada de maneiras não convencionais, pode levar a relacionamentos que dão certo.

A espécie de assistente programada por Zhadan entendia seus interesses e enviava likes para mulheres que correspondiam às preferências dele. “Eu entendo como aplicativos de namoro podem ser difíceis e constrangedores”, disse, em entrevista ao Gizmodo. Após conhecer o ChatGPT, decidiu usá-lo para quebrar o gelo com as mulheres no app.

Leia mais:

ChatGPT no Tinder

(Imagem: MardeFondos/Shutterstock)

Zhadan refinou o “CupidoGPT” para filtrar perfis com base em suas preferências pessoais, como evitar fotos com álcool ou menções a signos do zodíaco. A inteligência artificial enviava mensagens e mantinha conversas, embora inicialmente tivesse alguns bugs, como agendar encontros com promessas que Zhadan desconhecia.

publicidade

O assistente digital acabou conectando Zhadan a Karina Vyalshakaeva em dezembro de 2022. Nos primeiros meses do relacionamento, Vyalshakaeva interagiu, sem saber, com o ChatGPT. Com o tempo, o chatbot foi usado cada vez menos na comunicação com ela, enquanto Zhadan assumia o papel principal.

Eventualmente, o “CupidoGPT” sugeriu que Zhadan pedisse Vyalshakaeva em casamento. Inicialmente, ele considerou a ideia uma alucinação da IA. Mas eventualmente seguiu o conselho. O casal começou a viver juntos em 2023 – e planeja usar o ChatGPT para ajudar a organizar seu casamento.

A revelação

Detalhe da página do ChatGPT
(Imagem: Pedro Spadoni/Olhar Digital)

Vyalshakaeva ficou chocada, mas não zangada, ao descobrir sobre o uso do ChatGPT por Zhadan. Ela reconheceu a autenticidade das intenções dele desde o início. E acredita que o assistente de encontros com IA pode ser uma ferramenta útil para outros, desde que sejam sinceros em suas buscas.

Zhadan atualmente não disponibiliza o programa para outras pessoas, devido ao alto custo de operação. Ainda assim, a utilização de assistentes de IA em aplicativos de namoro tem se tornado mais comum. Mas levanta questões sobre a autenticidade e eficiência dessas ferramentas no processo de formação de casais.

Especialistas em relacionamentos veem potencial positivo na utilização de IA para agilizar dates, destacando a importância da conexão humana autêntica. A história de Zhadan e Vyalshakaeva, por exemplo, ilustra como a tecnologia, mesmo quando utilizada de maneiras não convencionais, pode levar a relacionamentos que dão certo.