Duas figuras importantes de duas culturas diferentes podem ter sido a mesma pessoa. É isso o que sugere um novo estudo realizado por um pesquisador chinês e que apontou ligações entre Huangdi, mais conhecido como o Imperador Amarelo da China, e o Escorpião Rei do Antigo Egito.

Leia mais

Em um artigo ainda não revisado por pares, Guang Bao Liu argumenta que o governante egípcio conhecido como Escorpião I era a figura registrada como Imperador Amarelo nos documentos chineses.

O pesquisador baseia sua teoria em diversas evidências. Em primeiro lugar, diz-se que o Escorpião Rei teria unificado o Alto e o Baixo Egito ao derrotar um rei que usava um chapéu de touro.

publicidade

Da mesma forma, os registros chineses afirmam que o Imperador Amarelo derrotou o Imperador Yan, que também usava um chapéu com cabeça de vaca, unificando as duas tribos de Yan e Huang no processo.

A cronologia também bate, uma vez que, segundo a lenda, o Escorpião Rei governou o Antigo Egito há cerca de 5,2 mil anos, praticamente o mesmo período em que Huangdi comandou a dinastia chinesa.

Por fim, existem algumas semelhanças entre os hieróglifos e a escrita chinesa. Guang Bao Liu destaca que o símbolo do escorpião encontrado na tumba de Escorpião I está ligado ao protótipo do personagem Huangdi, que significa “amarelo” em chinês. Além disso, muitos escorpiões encontrados no Vale do Nilo também são amarelos.

Imperador Amarelo da China (Imagem: Wikimedia Commons)

Falta de evidências na China e Egito intrigam pesquisadores

  • Historiadores, no entanto, contestam a teoria.
  • Em primeiro lugar, muitos acreditam que o Escorpião Rei não foi uma figura histórica real.
  • O período é bastante obscuro e não há evidências que possam sustentar qualquer tipo de hipótese sobre quem foi o primeiro verdadeiro governante do Alto Egito por volta de 3200 a.C.
  • Já em relação ao Imperador Amarelo, os registros históricos chineses também parecem ser bastantes confusos.
  • A lenda diz que esta figura divina se tornou o primeiro governante de terras que mais tarde se tornariam a China em 2697 a.C., depois de unificar as tribos da planície do Rio Amarelo sob um único governo.
  • De qualquer forma, os pontos de semelhança são claros e podem significar que os dois povos, distantes geograficamente, não eram tão diferentes assim.
  • As informações são da IFLScience.