O governo de Trinidad e Tobago admite pedir ajuda internacional após um derramamento de óleo que poluiu 15 quilômetros de praias de uma das ilhas do arquipélago localizado no Caribe. O combustível teria vazado de um navio aparentemente abandonado e que naufragou há quase uma semana. A principal preocupação é com a contaminação de peixes e do suprimento de comida para a região.

Leia mais

Na última quarta-feira (7), um navio identificado como Gulfstream naufragou próximo a um parque industrial no sul da ilha de Tobago. Arrastada pelas correntes, a embarcação encalhou perto da costa.

Segundo o governo do país, existem indícios de que o barco foi abandonado para afundar, já que as autoridades locais não receberam nenhum pedido de socorro. Ainda não se sabe o que a embarcação levava, mas as autoridades suspeitam que o carregamento era de madeira e areia.

publicidade

O óleo está vazando dos tanques de combustível do navio e já atingiu águas internacionais. O derramamento afetou a costa sudoeste de Trinidad e Tobago, inclusive praias consideradas pontos turísticos e que estavam preparadas para receber visitantes durante o carnaval.

O primeiro-ministro Keith Rowley informou que o desastre ainda está classificado em nível 2 (intermediário), mas ele não descarta elevar a tragédia para nível 3 (avançado), caso as autoridades locais não consigam controlar o vazamento.

Ele disse que a situação ainda está “administrável”, mas admitiu que o país pode procurar ajuda internacional, especialmente para esvaziar a embarcação.

A gente pode requerer ajuda porque, uma vez em que começarmos a conversar sobre o resgate, que é levar o navio para uma situação em que possamos controlar o que acontece, a gente terá de ter ajuda externa. A gente terá de se mover relativamente rápido para determinar o que vamos fazer a seguir, que é levar a embarcação para uma posição em que ela não represente mais uma ameaça ao nível nacional.

Keith Rowley, primeiro-ministro de Trinidad e Tobago
Vazamento de óleo gera alerta de contaminação de peixes (Imagem: Tigergallery/Shutterstock)

Brasil oferece ajuda para conter avanço do óleo

  • Desde quinta-feira (8), moradores da região convocados por redes sociais estão limpando as praias afetadas pelo desastre.
  • O número aumentou para cerca de mil voluntários após o governo reforçar a convocação e pedir ajuda extra.
  • Na rede social X (antigo Twitter), o Escritório Regional das Nações Unidas em Trinidad e Tobago informou que está pronto para fornecer apoio às autoridades locais.
  • Coordenadas pela representação local da ONU, as agências das Nações Unidas estão mobilizando recursos de programas regionais para prestar assistência aos esforços de limpeza.
  • Em nota, o Brasil informou que está em contato com autoridades de Trinidad e Tobago para examinar possibilidades de assistência a ser oferecida para conter os danos provocados pelo vazamento.
  • As informações são da Agência Brasil.