Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontam que a Amazônia teve 2.924 pontos de queimadas identificados até o último dia 26. O número é o maior para o mês de fevereiro desde o início da série histórica, iniciada em 1999.

Leia mais

No mesmo período do ano passado foram contabilizados 734 focos de incêndio. Isso significa um aumento de 298%. A pior situação é registrada em Roraima, onde a fumaça chegou a encobrir partes da capital, Boa Vista, e trechos da RR-206, rodovia estadual.

Os satélites também registraram picos de incêndios no segundo semestre de 2023 em algumas regiões da floresta, principalmente no Amazonas. O governo Lula afirmou que contratou mais brigadistas para controlar as chamas, mas admitiu que a estrutura de combate ao fogo ainda é insuficiente.

publicidade

O Ministério do Meio Ambiente não se manifestou sobre o assunto até o momento. As informações são do UOL.

queimadas-floresta-amazonia
Foram registrados quase três mil pontos de queimadas na Amazônia até o dia 26 de fevereiro (Imagem: Pedarilhosbr/Shutterstock)

Maioria dos incêndios são criminosos

  • Especialistas já haviam alertado que o fenômeno climático El Niño poderia causar o aumento do número de focos de queimadas na Amazônia.
  • Na maior parte da floresta, a estação seca começa em julho, com ápice em agosto, e vai até outubro.
  • Nessa época, a vegetação e a matéria orgânica no solo ficam propícias à queima.
  • Esse fator, somado ao ar menos úmido, espalha as chamas com mais rapidez e dificulta o combate ao fogo.
  • Apesar das causas naturais serem um fator de agravamento dos focos de incêndio, a maioria das queimadas envolve ação humana criminosa.
  • Em grande parte dos casos, o fogo é usado para abrir novas áreas de pastagem.
  • Além de devastar a vegetação, as queimadas para o desmate são a maior fonte de origem dos gases de efeito estufa lançados pelo Brasil na atmosfera.