Pesquisadores descobriram que uma espécie de salamandra subterrânea – que, até então, se acreditava que vivesse apenas em cavernas subaquáticas – passa muito de tempo vagando pela superfície. Os Proteus anguinus – também conhecidos como Olmos – já foram considerados dragões bebês. Após viverem na escuridão por milhões de anos, os olmos ficaram cegos e aguçaram o olfato e a audição, usando campos elétricos para se locomover.

Entenda:

publicidade
  • Pesquisadores descobriram que as salamandras da espécie Proteus anguinus – também conhecidas como Olmos -, que vivem em cavernas subterrâneas, passam tempo vagando pela superfície;
  • As observações de olmos acima da terra eram limitadas até então, mas após avistarem um deles nadando em uma nascente na superfície, os pesquisadores descobriram que a movimentação não é tão rara quanto se imaginava;
  • Os olmos foram avistados em 15 nascentes no nordeste da Itália, e em uma delas foi encontrada uma larva;
  • Alguns olmos encontrados regurgitaram minhocas que não pertenciam a espécies subterrâneas – o que pode indicar que as salamandras se alimentem na superfície;
  • A descoberta foi publicada na revista Ecology.
(Imagem: lucacavallari – Shutterstock)

Como explicam os pesquisadores em um artigo publicado na revista Ecology, todas as observações de olmos vivendo fora das cavernas até então eram muito limitadas. Em 2020, porém, a equipe avistou uma delas nadando em uma nascente na superfície e, após investigarem, descobriram que a movimentação não é tão rara quanto se imaginava.

Leia mais:

publicidade

A descoberta dos dragões bebês na superfície

Os olmos foram vistos pelos pesquisadores em 15 nascentes no nordeste da Itália. Em uma delas, foi encontrada uma larva – o que indica que, em casos raros, a procriação desses anfíbios possa ocorrer na superfície. “Até onde sabemos, representa o menor indivíduo já encontrado no campo e a única larva encontrada fora das cavernas”, explica a equipe no artigo.

(Imagem: lucacavallari – Shutterstock)

Apesar da reprodução acima do solo não ser comum, os pesquisadores acreditam que a espécie se alimente na superfície: após manusearem alguns olmos, eles regurgitaram minhocas recém-consumidas, e nenhuma delas pertencia a espécies de ambientes subterrâneos.