O Tribunal de Apelações do Circuito dos EUA anunciou nesta sexta-feira (22) que a Meta deve enfrentar uma ação coletiva de anunciantes que a acusam de fraudar o número de pessoas que seus anúncios poderiam alcançar, conseguindo assim cobrar mais caro pelo serviço. De acordo com a Reuters, a ação abrange milhões de indivíduos e empresas que pagaram por anúncios no Facebook e Instagram desde 15 de agosto de 2014. 

O que você precisa saber: 

  • Os anunciantes disseram que a métrica usada mediu o número de contas de mídia social, e não o número de pessoas reais, que seria menor, inflando assim o número de espectadores potenciais em até 400%; 
  • Com isso, documentos judiciais estimam que a Meta pode estar devendo mais de US$ 7 bilhões em danos; 
  • Os anúncios da Meta geraram US$ 134,9 bilhões em receita em 2023. O lucro líquido foi de US$ 39,1 bilhões; 
  • Ações coletivas proporcionam recuperações potencialmente maiores a custos menores do que se os demandantes fossem forçados a processar individualmente; 
  • A Meta ainda não se pronunciou sobre o caso. 

Leia mais! 

O processo pontua ainda que os executivos seniores da empresa sabiam das contas duplicadas e falsas, inclusive de bots, inflacionando a métrica de “alcance potencial”, mas esconderam a informação. 

publicidade

Geoffrey Graber, advogado dos anunciantes, disse que pretende levar o caso de indenização a um júri. 

Meta na Europa 

Não apenas nos EUA, os serviços de anúncios da Meta também enfrentam escrutínio na Europa, mais especificamente seu plano pago sem publicidade para Instagram e Facebook. 

Após grupos ativistas e usuários reclamarem do serviço, apontando o modelo como injusto, já que cobra do usuário o direito da privacidade, a big tech decidiu reduzir o valor da assinatura. 

Contudo, reclamantes disseram que a redução de taxa não é o suficiente, já que o valor não é o problema em questão. Com a nova Lei dos Mercados Digitais (DMA), que restringe sua capacidade de personalizar anúncios para usuários sem o seu consentimento, em vigor, a Meta segue em negociações com reguladores da União Europeia (UE).