Como os vapes ainda são relativamente novos, seus efeitos a longo prazo ainda não foram amplamente estudados. Uma rápida pesquisa em sites científicos mostra artigos que defendem e que atacam os cigaros eletrônicos.

Nos Estados Unidos, esse produto começou a aparecer no final dos anos 2000. Aqui no Brasil, ele se popularizou nos últimos 5 anos, aproximadamente. Os primeiros estudos falavam que o vape seria menos nocivo do que o cigarro normal – e que ele até ajudaria a parar de fumar.

A grande maioria dos estudos recentes, porém, estão relacionando o uso de cigarro eletrônico a um maior risco de insuficiência cardíaca, ou outras doenças do coração.

Leia mais

publicidade

Justamente por ser novo, e por ser feito com ingredientes e materiais diferentes do que o cigarro normal, o vape ainda possui uma série de questões não respondidas. Talvez os usuários desenvolvam doenças só daqui a um tempo. Talvez não. Os médicos, no entanto, concordam que o ideal para a saúde é não fumar nada.

Esse novo estudo sobre o qual falaremos agora foi apresentado na última quinta-feira (28), na Sessão Científica Anual do American College of Cardiology.

É uma das maiores pesquisas feitas até agora – e traz uma péssima notícia aos usuários de cigarro eletrônico.

vape
(Imagem: Yarrrrrbright/Shutterstock)

O que diz o novo estudo

  • Os participantes que usaram cigarros eletrônicos contendo nicotina em qualquer momento de suas vidas tiveram uma chance 19% maior de desenvolver insuficiência cardíaca em comparação com aqueles que nunca usaram vapes.
  • Os pesquisadores descobriram que a vaporização aumenta o risco de um tipo de insuficiência cardíaca: a insuficiência cardíaca com fração de ejeção preservada (ICFEp).
  • Esse tipo de insuficiência faz com que o coração fique rígido e não se encha adequadamente de sangue entre cada batimento.
  • Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores acompanharam 175.667 participantes – mais de 60% do sexo feminino, com idade média de 52 anos – ao longo de 45 meses, usando registros de saúde dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA.
  • Desses participantes, 3.242 desenvolveram insuficiência cardíaca no período.
  • Os cientistas não encontraram evidências que sugerissem que outros fatores – incluindo idade, sexo ou se fumavam cigarros – impactaram o estudo.
  • Ou seja, a insuficiência teria sido causada mesmo pelo uso do vape.
FDA lança alerta sobre vape com tabaco e diz que há "níveis alarmantes de uso juvenil"
Imagem: sarahjohnson1 (Pixabay)

O que é e o vape no Brasil

Os cigarros eletrônicos parecem um pen drive grande e funcionam a partir de uma bateria. O dispositivo possui um reservatório de líquido dentro – e esse líquido é uma mistura que costuma ir nicotina, aromatizantes e outras substâncias químicas.

A bateria esquenta o líquido, que evapora e se transforma em gás, ou seja, ele é vaporizado (e daí vem o nome de vape). O usuário, então, inala essa mistura química.

Os cigarros eletrônicos são vendidos livremente no Brasil, embora sejam proibidos desde 2009. Os vapes descartáveis custam de R$ 40 a R$ 150 e duram de 300 a mais de 6 mil tragadas. Já os reutilizáveis vão de R$ 60 a R$ 600.

Nos Estados Unidos, os dispositivos descartáveis vão de US$ 5 a US$ 20 e duram de 600 a mais de 7 mil tragadas. Vapes reutilizáveis podem variar de US$ 10 a mais de US$ 100.

Além dos mistérios e dos indícios de que faz mal pra saúde, o que mais preocupa os médicos, hoje, é o público que utiliza esses produtos. Os vapes se tornaram muito populares entre os jovens. Estamos falando, portanto, de uma geração que pode adoecer cedo, se algumas dessas pesquisas se mostrarem certas.

Governos do mundo todo também se mobilizam diante desse questão. Por aqui, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) abriu uma consulta pública sobre o assunto em dezembro e o processo terminou em fevereiro. A entidade deve se manifestar oficialmente em breve sobre os cigarros eletrônicos.

As informações são do Medical Xpress.