As montadoras chinesas estão apostando alto em novos mercados e o Brasil já aparece em posição de destaque como principal destino de exportação de carros elétricos e híbridos da China, superando a antiga líder Bélgica.

Leia mais:

publicidade

Principal mercado para carros elétricos e híbridos chineses

  • Segundo os dados da Associação Chinesa de Carros de Passageiros (CPCA), as exportações de carros elétricos e híbridos para o Brasil superaram a marca de 40 mil unidades em abril.
  • Para efeito de comparação, o resultado é 13 vezes acima do registrado nos quatro primeiros meses de 2023.
  • Em janeiro, o país ocupava a décima colocação da lista.
BYD abre a pré-venda do Song Plus, o híbrido mais barato do Brasil
BYD Song Plus. Imagem: Divulgação/BYD

A BYD é uma das gigantes chinesas que está construindo um novo complexo para fabricação de veículos em solo nacional. A produção pode começar até o fim deste ano. A GWM também pode começar as operações na sua planta brasileira já no segundo semestre de 2024.

Segundo maior destino de exportação de automóveis chineses

Considerando outros tipos de automóveis, o Brasil só ficou atrás da Rússia na exportação de carros chineses. A exportação da China foi uma saída para a Rússia contornar as sanções ocidentais impostas por conta da guerra na Ucrânia, destacou Cui Dongshu, secretário-geral da CPCA.

publicidade
Haval H6
GWM Haval H6. Imagem: Divulgação/GWM

Até abril, as exportações de automóveis chineses para a Rússia aumentaram 23% (268.779 veículos). No mesmo período, as exportações para o Brasil aumentaram 536%, alcançando a marca de 106.448 unidades.

A expansão das montadoras chinesas coloca o Brasil como um importante mercado para carros elétricos e híbridos. É esperado que o início da produção local abra portas e mais oportunidades para a chegada de mais empresas da China nos próximos anos.

publicidade

Desaceleração no mercado europeu

Em países como Espanha, França, Países Baixos e Noruega, foi visto o contrário, ou seja, uma queda significativa nas importações de veículos chineses. Segundo a Reuters, o motivo é uma investigação de subsídios pela União Europeia, o que levou as empresas chinesas a atuar com mais força em outras regiões, caso da América do Sul.