A trégua climática no Rio Grande do Sul pode acabar neste fim de semana. O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) prevê fortes chuvas para o estado entre este sábado (16) e domingo (17). Segundo o órgão, neste momento não há motivo para grandes preocupações, mas se as chuvas persistirem na próxima semana, novos transtornos podem ocorrer na região.

De acordo com a previsão do Inmet, os acumulados de chuva, entre o fim da sexta-feira (14) até a quarta-feira (19), variam entre 80 milímetros (mm) e 150 mm no estado gaúcho, podendo superar os 200 mm em determinadas áreas do centro-norte do Rio Grande do Sul e de 100 mm a 200 mm no sul de Santa Catarina.

publicidade

Durante a instabilidade, além de chuva e trovoadas, a previsão indica a possibilidade de rajadas de vento acima dos 60 km/h e queda de granizo de forma isolada.

Ao longo da próxima semana, a instabilidade deve persistir, o que pode aumentar os volumes totais de chuva. Essa condição poderá ocasionar novos transtornos em relações a cheia dos rios que devem se manter monitorados 

Inmet
Precipitação (chuva) acumulada, em milímetros (mm), até 168h, das 21h (horário de Brasília) desta quinta-feira (13) até as 21h da quarta-feira (19) pelo modelo Cosmo 7km Inmet.

“Cidades provisórias” podem começar a ser construídas no Rio Grande do Sul

A água baixou, mas muitos gaúchos simplesmente não têm mais uma casa para morar após a destruição causada pela maior tragédia climática da história do Rio Grande do Sul. São dezenas de milhares de desabrigados que poderão receber um teto nas chamadas “cidades provisórias” que estão sendo construídas no estado.

publicidade
Casas montáveis enviadas pela ONU serão utilizadas nos espaços (Imagem: divulgação/ONU)

O governo do Rio Grande do Sul assinou o termo de cooperação para instalação dos primeiros cinco Centros Humanitários de Acolhimento (CHAs), mais conhecidos como “cidades provisórias”. Estes espaços serão instalados nas cidades de Porto Alegre e Canoas, na região metropolitana da capital gaúcha.

No total, estes cinco locais poderão abrigar 3,7 mil pessoas. Em Porto Alegre, as estruturas serão erguidas no Centro Humanístico Vida, no estacionamento do Porto Seco e no Centro de Eventos Ervino Besson. As unidades na capital gaúcha terão capacidade para acolher até duas mil pessoas.

publicidade

Os espaços contarão com cozinha, refeitório, lavanderia, fraldário, áreas para assistência médica e social, de convivência, para crianças, animais de estimação, além de banheiros masculinos, femininos e neutros. Eles devem começar a receber Os centros devem começar a funcionar em até 20 dias.