É grande a expectativa para o início dos Jogos Olímpicos de Paris, no dia 26 de julho deste ano. No entanto, a proximidade do maior evento esportivo do mundo também gera preocupações. Isso em função da onda de calor que afeta a Europa (e o hemisfério norte de maneira geral).

Leia mais

publicidade
Calor extremo é esperado na capital francesa durante o evento esportivo (Imagem: Melinda Nagy/Shutterstock)

Paris deve enfrentar calor de mais de 40ºC

Um relatório divulgado nesta semana por pesquisadores britânicos, com a colaboração de atletas e ex-atletas olímpicos de 11 países, alerta sobre os riscos de competir em condições climáticas extremas.

Chamado de “Rings of Fire” (Anéis de Fogo), o documento destaca que os competidores podem ser expostos a situações de desidratação, exaustão, insolação e até a morte. O trabalho ainda observa que há riscos para a saúde dos torcedores.

publicidade

Os Jogos de Tóquio foram mais quentes da história até agora, com temperaturas ultrapassando os 34ºC. Mas a previsão para Paris, sede do evento deste ano, é de mais de 40ºC.

Os pesquisadores estudaram a variação climática na capital francesa desde a realização dos últimos Jogos Olímpicos na cidade, há 100 anos, e descobriram que a temperatura média entre 26 de julho e 11 de agosto deve ser 3,1ºC maior do que naquele período.

publicidade

O estudo ainda lembrou a onda de calor de 2003, que deixou mais de 14 mil mortos na França. Na época, a temperatura máxima registrada em Paris foi 39,5º C. Em 2019, ano mais quente já registrado no país, os termômetros chegaram a 45,9ºC. Já no ano passado, 5 mil mortes relacionadas ao calor foram confirmadas em território francês.

Jogos Olímpicos de Paris começam no dia 26 de julho (Imagem: JeanLucIchard/Shutterstock)

Recomendações propostas pelo relatório

  • Os pesquisadores ainda divulgaram algumas recomendações a serem adotadas para diminuir os riscos relacionados ao calor extremo durante os Jogos de Paris.
  • O primeiro deles é adequar a programação, evitando que esportes ao ar livre sejam praticados nos horários mais quentes do dia.
  • Eventos como a maratona e o triatlo têm início programado para às 8h.
  • Outra sugestão é limitar tempo de exposição ao calor, incluir intervalos de reidratação e planejar climatização das arenas.
  • A Vila Olímpica de Paris, por exemplo, vai ser ligada à rede de refrigeração urbana, mas não vai ter ar-condicionado.
  • O relatório ainda defende incentivar que os atletas falem publicamente sobre as mudanças climáticas.
  • Além disso, recomenda impulsionar a colaboração entre entidades esportivas e atletas em campanhas de conscientização climática.
  • Por fim, sugere a reavaliação do patrocínio de empresas ligadas a combustíveis fósseis, responsáveis por quase 80% da emissão de gases de efeito estufa no planeta.